quarta-feira, 24 de agosto de 2016



E assim continua "a vida dos Palestinos", como alvo nas malévolas mãos dos Israelenses: Invasores, Genocidas, Sionistas.

Recebendo "armas, apoio, e proteção dos USA" além de licença para matar".

Aqui, como poderão notar, os troféus foram crianças palestinas alvejadas no peito e na cabeça. Isto não é "efeito colateral" não, isto é genocídio.

Crimes de extermínio como estes não são publicados na mídia ocidental; seus proprietários são cúmplices de genocídio.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Jornal argentino Página 12 lança livro sobre golpe no Brasil


O jornal argentino Página 12, maior publicação impressa progressista do país, lançou neste domingo (21) a edição física do livro Golpe no Brasil – Genealogia de uma farsa, sobre o processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. O exemplar será comercializado junto ao jornal que pode ser encontrado em todas as bancas do país.

A publicação, que é uma produção do Clacso (Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais), Octubre Editorial e Umet (Universidade Metropolitana para a Educação e o Trabalho), traz artigos escritos durante os meses de abril e junho, quando se iniciou o processo de impeachment de Dilma.

Entre os autores dos artigos do livro, de 184 páginas, estão o escritor Frei Betto; o teólogo Leonardo Boff; o professor da Universidade de Coimbra Boaventura de Sousa Santos; o sociólogo marxista Michael Löwy; o jornalista uruguaio Raúl Zibechi, e os jornalistas norte-americanos Amy Goodman e Glenn Greenwald, além de outras personalidades.


Na apresentação, o editor do livro, o secretário-executivo do Clacso, Pablo Gentili, afirma que a publicação “pretende ser o testemunho de um momento trágico da história latino-americana”.

“Os autores aqui presentes nos ajudam a entender como foi gestado e que perspectivas se abrem no complexo processo de desestabilização da ordem democrática que vive atualmente o Brasil”, diz o texto. A publicação traz também declarações de entidades a favor da democracia no Brasil e entrevistas realizadas com a mandatária e com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O julgamento final do processo de impeachment está marcado para começar na próxima quinta-feira (25). O livro, em espanhol, está disponível na biblioteca virtual do Clacso. Ainda não há uma edição brasileira da obra.

Baixe o arquivo na íntegra em PDF.

Download Livro Golpe no Brasil: www.http://imagem.vermelho.org.br/biblioteca/livro_golpe_no_brasil99335.pdf

Do Portal Vermelho, com informações da Opera Mundi

Complexo militar dos EUA precisa da 'ameaça russa' para sobreviver


A retórica de existência de uma alegada "ameaça russa" é muito propagada pelo complexo militar americano, e isso coincide com a política exterior de Hillary Clinton, opinou um especialista à rádio Sputnik.

Michael Maloof, ex-funcionário do Pentágono e analista-chefe de política de segurança da Secretaria da Defesa, opinou que essa retórica regularmente propagada é crucial para manter a própria existência do complexo militar dos Estados Unidos.

"Os contratantes militares e as suas chefias estão de fato encorajando a retórica antirrussa para reforçar os seus negócios e, francamente, se nós não tivéssemos a Rússia, o complexo militar dos EUA criaria outro tipo qualquer de demônios para sobreviver," disse.

Segundo o especialista explicou à rádio Sputnik, os contratantes militares dos Estados Unidos querem manter o alto nível de produção a que eles já se acostumaram desde o início da invasão ao Iraque em 2003:
"Esta foi uma política terrível, mas foi gratificante do ponto de vista financeiro para as indústrias da defesa e agora eles atingiram um tal nível de lucros que não estão dispostos a baixar. Eles tentam fazer o que podem para gerar novos conflitos ao redor do mundo."

Maloof notou também que a posição antirrussa da candidata presidencial do partido Democrata Hillary Clinton mina as relações bilaterais entre os dois países. Segundo ele opinou no seu livro "A Nation Forsaken" ("Uma nação Abandonada") e à Sputnik, os Estados Unidos devem prestar mais atenção aos problemas humanitários existentes e ao trabalho de reconstrução, além de cooperar mais com outros países, por exemplo, com a Rússia.

HispanTv

"Rusia continúa usando base iraní para atacar a terroristas"


Un bombardero estratégico ruso Tupolev Tu-22M3.

El presidente del Parlamento iraní, Ali Lariyani, ha asegurado este martes que los aviones rusos aun están usando la base iraní de Noyé para atacar a terroristas en Siria.

Lariyani, en declaraciones que refutan a las del Ministerio de Defensa de Rusia, ha afirmado que aun los bombarderos estratégicos y los bombarderos rusos siguen utilizando la base aérea de Noyé, en Hamadán, para llevar a cabo ataques aéreos sobre las posiciones de grupos terroristas en el territorio sirio.

“Los vuelos de las aeronaves rusas desde la base aérea de Noyé no han cesado y nosotros tenemos una alianza con Rusia en la lucha contra el terrorismo”, dijo Lariyani en la sesión de hoy del Parlamento, respondiendo a las preguntas de los diputados iraníes.

Además, ha vuelto a descartar un despliegue ruso en Irán y ha reiterado que la parte iraní no ha entregado el control de su base a Rusia y que los supuestos reportes y alegaciones sobre este asunto son mentiras y propaganda.

También ha defendido el uso de la base por las Fuerzas Aeroespaciales de Rusia y ha asegurado que los bombardeos rusos desde la base aérea Noyé benefician a los países de la región ya que permiten a los rusos atacar a los terroristas que están creando conflictos y atacan a los vecinos de Irán en Oriente Medio, haciendo la región más inestable y menos segura.

El pasado 16 de agosto, la aviación rusa utilizó por primera vez la base aérea iraní en Hamadán para atacar las posiciones estratégicas del grupo terrorista EIIL (Daesh, en árabe), y el Frente Fath Al-Sham (anteriormente conocido como el Frente Al-Nusra) en Siria. Los despegues desde Irán reducían el tiempo de vuelo de los cazas rusos en un 60 %, y las aeronaves solo tendrían que recorrer 900 kilómetros para llegar al centro de Siria.

No obstante, un rotativo ruso ofrece otra explicación por el despliegue de los aviones rusos desde Noyé: el diario ruso Vzglyad presenta la posibilidad que Rusia estuviera usando dicha base para limitar los efectos del espionaje por satélite sobre los bombarderos rusos.

“Preferimos no señalar a nadie como el culpable, pero los terroristas y los 'rebeldes moderados' que se han unido a ellos, sospechosamente, consiguen esconderse de los ataques rusos con demasiada frecuencia”, escribe el rotativo, que asegura que existen evidencias de que “alguien” está facilitando a los terroristas información sobre los vuelos de los bombarderos estratégicos rusos que despegan desde Rusia.

hgn/rha/msf/HispanTv

EEUU amenaza con derribar los aviones sirios y rusos


Aviones de combate estadounidenses modelo Boeing F/A-18 Hornet.

EE.UU. aseguró el lunes que podría derribar aviones sirios y rusos que amenacen las tropas de la llamada coalición internacional en Siria.

"Vamos a defender nuestro personal en el terreno. Seguiremos aconsejando a Siria mantenerse al margen de esas zonas", alertó el lunes el portavoz del Departamento de Defensa de los Estados Unidos (Pentágono), Peter Cook, durante una rueda de prensa.

Cook hizo estas declaraciones después de que en los últimos días ocurrieran duros enfrentamientos entre el Ejército sirio y las Unidades de Protección del Pueblo Kurdo (YPG, por sus siglas en kurdo), apoyadas directamente por EE.UU., en la ciudad nororiental de Al-Hasaka, donde al menos 300 fuerzas especiales estadounidenses han sido desplegadas.

Según los expertos, el apoyo de EE.UU. a los kurdos, es impulsar su estrategia para federalizar Siria. El objetivo empezaría a través de establecer una o dos zonas federativas como el noreste kurdo para ver cómo la estrategia funciona en primer lugar y luego otras partes podrían convertirse en el modelo federativo.

En marzo pasado, los kurdos sirios anunciaron la creación de una entidad federativa en el norte de Siria, iniciativa que fue condenada por Damasco ya que la federalización amenazaría la seguridad del país.

El vocero del Pentágono además alegó que esta advertencia concierne igualmente a los aviones rusos. "Si amenazan las tropas estadounidenses, tenemos el derecho de defender nuestras tropas", enfatizó el funcionario del Pentágono.

Añadió que tal medida no significa que Washington busca establecer una zona de exclusión aérea en Siria, pero Damasco debería tener la prudencia de evitar las zonas donde las tropas de la coalición operan.

EE.UU. ha enviado aviones de combate para proteger a las milicias aliadas ante un supuesto ataque de cazas sirios en la ciudad de Al-Hasaka.

El Pentágono, ordenó el viernes un despliegue súbito de aviones de guerra hacia la localidad de Al-Hasaka, “después de que dos cazas Sujoi Su-24 lanzaran bombas” contra las posiciones de las YPG.

mkh/rha/msf/HispanTv

"EE.UU., gracias por la 'Green Card', pero me quedo en Alepo"


"Alepo es mi casa y no voy a dejarla". Un médico, una mujer que cuida de niños huérfanos y un joyero comparten la idea de permanecer en esa ciudad siria devastada por la guerra.

Un médico cuyo hospital fue tomado por los rebeldes, una mujer que cuida de niños huérfanos y un joyero que tiene una tienda han explicado a RT por qué han decidido quedarse en Alepo (Siria), a pesar de los enormes riesgos que supone.

Ibrahim Hadaidi es un médico sirio formado en el Reino Unido cuyas habilidades le permitirían abandonar un país devastado por la guerra. Sin embargo, sigue tratando a los pacientes en Alepo porque "estar aquí es mi deber, siento que estoy entre mi familia".

"Siria es mi casa y no voy a dejarla"

"Mis alumnos, mis pacientes, mis parientes, mi pueblo, todos ellos son mi familia. Siria es mi casa y no voy a dejarla, pase lo que pase", asegura Hadaidi, quien tiene "una gran esperanza de que reconstruyan este país", incluso de que logre ser "mucho mejor que antes".

Según este médico, los terroristas "no quieren que la gente se quede en su país" y que se construyan instalaciones sanitarias y centros de salud vitales para sus habitantes.

Ibrahim Hadaidi relata que los médicos también han sido blanco de los extremistas, mientras que su propio centro sanitario fue tomado por los rebeldes, un recuerdo que aún le provoca tristeza: al atacar y tomar el hospital, "los terroristas robaron la mayoría de las máquinas que habían proporcionado los servicios de salud en Alepo".

Actualmente, este médico trabaja como administrador en el Hospital de la Universidad de Alepo, después de que su predecesor muriera a manos de un francotirador rebelde. Se trata de uno de los dos hospitales públicos de la ciudad que funcionan, a pesar de que antes de la guerra había ocho recintos sanitarios.

"Nos atacan porque estamos con nuestra tierra y nuestro Gobierno"

Razan Mahfouz ha decidido permanecer en Alepo por los niños que se quedaron huérfanos durante la guerra y no tienen dónde ir. Tiene dos escuelas, en las que aloja y educa a los niños. Uno de esos inmuebles se encuentra en plena línea de fuego, en el barrio de Hamdaniyeh.

"Desde 2014, tres misiles han alcanzado nuestra escuela; uno de ellos mató a siete niños e hirió a otros 24", cuenta Mahfouz, quien considera que "la razón de todo lo sucedido es que estamos con nuestra tierra y nuestro Gobierno".
Esta docente está segura de que los terroristas quieren que se cierre la escuela, pero asevera que "seguirá dando educación a nuestros hijos" y explica que nunca pensó en abandonar Siria, a pesar de tener los recursos para hacerlo.

"¿Dónde he ganado mi dinero? Todo lo que tengo es gracias a mi país. ¿Cree que puedo agarrar mi plata y abandonar Siria?", se pregunta. En lugar de marcharse, ha decidido abrir una piscina para niños en una de sus escuelas.

"Gracias, EE.UU., pero prefiero quedarme en Alepo"

Joseph Fannoun, un joyero de renombre, va a trabajar todos los días a pesar de las constantes batallas: su barrio, Azaziyeh, también está en la línea de fuego.

Fannoun denuncia que los residentes de Alepo "se despiertan con el sonido de los bombardeos" y que los terroristas "tratan de generar miedo a salir", pero advierte que "seguiremos viviendo y yendo a trabajar".

Este joyero también tenía una tienda en Detroit (Michigan, Estados Unidos), pero decidió cerrarla cuando comenzó la guerra para poder permanecer en Alepo.

A pesar de que posee un permiso de residencia permanente en EE.UU., conocido como 'Green Card' (tarjeta verde, en inglés), Joseph Fannoun manifiesta: "Gracias, pero yo prefiero quedarme en Alepo".

"EE.UU. y Corea del Sur buscan 'sofocar' y eliminar a Corea del Norte"


En las maniobras conjuntas de EE.UU. y Corea del Sur en la península coreana se ensayan escenarios "que están lejos de ser defensivos", sostiene un experto en Corea.

Aunque se posicionan como "la defensa de la democracia", en las maniobras conjuntas de EE.UU. y Corea del Sur denominadas Ulji Freedom Guardian, en la península coreana, se ensayan escenarios "que están lejos de ser defensivos", explica al diario 'Izvestia' Alexánder Vorontsov, el jefe del departamento de Corea y Mongolia del Instituto de Estudios Orientales.

Según Vorontsov, estos ejercicios no deben considerarse de forma aislada sino como una pieza de lo que está sucediendo en la península coreana. Y en el sur de la península, argumenta, se concentran decenas o centenares de miles de soldados, es decir, "se crea un poderoso puño de ataque militar" destinado supuestamente a "objetivos defensivos" mientras se trabaja en escenarios "claramente ofensivos" contra Pionyang y el Gobierno norcoreano.

"Unificación según el escenario alemán"

Vorontsov considera que los organizadores de los ejercicios han elegido una línea destinada a un cambio de régimen y "la eliminación de Pionyang". En este sentido, las maniobras, junto con la presión militar y política, son las herramientas más importantes de una amplia campaña destinada a aislar y 'sofocar' a Corea del Norte, que también incluye sanciones económicas y acusaciones de diferentes tipos, incluidos los relativos a los derechos humanos.

Todo ello, en opinión del experto, se hace con un solo objetivo: poner al Gobierno de Corea del Norte en una situación insoportable con el fin de "acelerar el colapso y llevar a cabo la unificación según el escenario alemán", es decir, la absorción de Corea del Norte por parte de su vecina del sur.
Sin embargo, de momento las tácticas de presión no funcionan y Pionyang responde a las maniobras militares con predecibles pasos, como la preparación de sus Fuerzas Armadas para un eventual conflicto. En Occidente, las advertencias norcoreanas —por ejemplo, sobre un ataque nuclear preventivo— son interpretadas como agresiones y el chantajes, pero Vorontsov opina que se trata de medidas de respuesta que solo serían tomadas en el caso de un paso que pusiera en peligro la integridad y la soberanía del país.

¿Una nueva guerra de Corea a gran escala?

Con todo, el experto duda de que Seúl y Washington se atrevan a este paso, ya que sería el comienzo de "una nueva guerra de Corea a gran escala".

"El Norte tiene algo para responder a la agresión y los expertos militares de Estados Unidos y Corea del Sur lo analizan y lo saben", apunta el analista. Además, según Vorontsov, "es difícil imaginar" que este potencial conflicto fuera solo interno: al igual que con la primera guerra de Corea de la década de 1950, se podría expandir muy rápidamente.

Por otro lado, hay que tener en cuenta factores como el aumento de los desencuentros entre EE.UU. y China y los intereses de Rusia, para quien la tranquilidad y la estabilidad de la península coreana son estratégicas "ya que se trata de la paz y la estabilidad de la frontera", concluye el autor del artículo.

Actualidad RT

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

REQUIÃO: TEMER PODE PROVOCAR UMA GUERRA CIVIL NO BRASIL


O senador Roberto Requião (PMDB-PR), em discurso alertou que o interino Michel Temer (PMDB) promoverá uma guerra civil se congelar gastos públicos por 20 anos, como prevê a PEC 241; “É a proposta mais idiota e desumana em toda a História”

Por Esmael Morais

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), em discurso nesta quinta (18), alertou que o interino Michel Temer (PMDB) promoverá uma guerra civil se congelar gastos públicos por 20 anos, como prevê a PEC 241.

“É a proposta mais idiota e desumana em toda a História”.

“Falando português claro e sem eufemismo, na verdade, é a proposta legislativa mais idiota e mais desumana que eu já vi tramitar no Congresso por iniciativa do Executivo, em toda história do Brasil”, fuzilou o senador.

Requião disse que a PEC 241 promete não melhorar a saúde por 20 anos; a educação; o salário mínimo; a segurança pública; enfim, tudo ficaria congelado por 20 anos.

O parlamentar falou várias vezes em protesto, revolta, ditadura, revolução e guerra civil em virtude da recessão planejada para os próximos 20 anos.

Leia a íntegra do discurso de Requião:

Temer e a PEC 241: entre o engodo e a guerra civil

por Roberto Requião

O governo interino enviou ao Congresso a PEC 241 com o objetivo de congelar os gastos públicos por 20 anos, tendo como referência os gastos de 2016.

Nunca em nenhum outro país uma proposta de congelamento dos gastos públicos foi sequer cogitada como proposta legislativa, muito menos colocar tal aberração em um texto constitucional. Mesmo na Grécia, massacrada pela austeridade fiscal imposta pelos credores e pela Alemanha, imaginou-se tal coisa.

Essa proposta tão absurda serve para mostrar o grau de anormalidade política e institucional em que vive hoje o país.

É a prova de que estamos caminhando para o caos político e econômico, em razão da incrível ousadia e irresponsabilidade daqueles que imaginam controlar o povo e o Congresso com a repetição nauseante de um arsenal de mentiras.

A proposta é tão anormal que nenhum economista ou professor universitário com credibilidade se atreveu a defende-la. No dia 16 de agosto, a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado debateu o assunto.

Meirelles mandou dois funcionários de segundo escalão para defender a proposta. Confrontados pelos professores convidados a fazer uma análise séria do assunto, exibiram a grande fragilidade da PEC 241 e da visão econômica do chefe.

Os dois rapazes apenas aumentaram minha incompreensão sobre as razões pelas quais “o “mercado” e certos políticos progressistas veem Meirelles como “salvador da Pátria”. Que Pátria?

Os mensageiros deste “salvador do mercado” repetiram o velho chavão que diz que o “Estado é como uma dona de casa que sabe que não pode gastar mais do que arrecada”. Ora, qualquer um que lê os jornais com atenção e conhece um pouco de história sabe que isso é um sofisma manipulador e primário. O Estado, no mundo inteiro, gasta mais do que arrecada quase sempre e isso é visto como absolutamente normal e saudável.

Infelizmente ou felizmente o Estado é muito mais complexo do que o orçamento doméstico.

Voltando à PEC 241.

Obviamente, em termos bem simples e diretos essa PEC promete explicitamente e na melhor das hipóteses que:

· a saúde não melhore nada por 20 anos,

· a educação não melhore nada por 20 anos,

· o salário mínimo não melhore nada por 20 anos

· a segurança pública não melhore nada por 20 anos,

· o trânsito das cidades – que depende da construção de metrô e obras viárias – não melhore nada por 20 anos,

· as condições de moradia não melhore nada por 20 anos, mas que a população nas favelas ou em submoradias aumente significativamente em 20 anos.

· o saneamento básico não melhore nada por 20 anos

· a qualidade de vida da maioria da população não melhore nada por 20 anos

· a proteção ao meio ambiente não melhore nada por 20 anos

· nossa justiça lenta e parcial não melhore nada por 20 anos

· o combate à seca no Nordeste e às mudanças climáticas, que podem ter efeitos catastróficos, não melhore nada em 20 anos

· o desenvolvimento científico e tecnológico do país não melhore nada em 20 anos

· a gestão pública não melhore por 20 anos

· a distribuição de renda não melhore nada por 20 anos

· a desigualdade regional não melhore nada por 20 anos

· a capacidade do país se defender não melhore nada por 20 anos

· a infraestrutura não melhore nada por 20 anos

É exatamente isso o que esta PEC está propondo. E olhe, senhoras e senhores senadores que essa PEC é considerada a medida mais importante do governo interino.

Falando português claro e sem eufemismo, na verdade, é a proposta legislativa mais idiota e mais desumana que eu já vi tramitar no Congresso por iniciativa do Executivo, em toda história do Brasil.

Obviamente o povo brasileiro jamais vai concordar com essa barbaridade. Não foi para isso que muitos pediram o afastamento de Dilma. Mas o povo não sabe que isso está em discussão.

A grande mídia, é claro, não vai dar espaço para que o povo seja informado.

Ademais, os congressistas têm a voz cortada pelos instrumentos ilegais de tramitação acelerada, que excluem o debate.

Além do que, uma parte significativa dos parlamentares tem medo de criticar em público e se posicionar contra as medidas impostas pelo poder econômico depois que:

· os tentáculos e os métodos agressivos de Eduardo Cunha e seus parceiros se espalharam no Congresso e no governo,

· a grande imprensa passou a adotar o critério de que todo mundo que pensa diferente dela é sua inimiga mortal,

· começaram as investigações da Lava-Jato com prisões preventivas generalizadas, abusivas, espetacularização e destruição de reputações,

· o Poder Judiciário e o Ministério Público tomaram para si a prerrogativa de condenar a opinião do Congresso e seu poder de legislar.

O Congresso está funcionando de forma anômala. No mínimo, quando se refere a questões de interesse do poder econômico, as opiniões divergentes e o contraditório estão restritos em razão do medo e da forma de tramitação inconstitucionais e não democráticos que funcionam como rolo compressor.

Esse contexto explica porque a PEC 241 pode ser aprovada, mesmo propondo explicitamente que o Brasil não melhore em nada nos próximos 20 anos.

Se nosso país já fosse o mais desenvolvido do mundo, a proposta já seria um absurdo, porque o ser humano quer sempre melhorar e progredir.

Mas, com as carências que temos, como esperar por vinte anos, duas gerações, para retomar os investimentos em saúde, educação, habitação, saneamento, infraestrutura urbana e mais?

Pensando bem, a PEC 241 é ainda muito pior do que isso.

Sabemos que a população brasileira vai aumentar e que, portanto, nada vai melhorar por 20 anos, pelo contrário tudo vai piorar com a vigência da PEC.

Mais doentes para os mesmos hospitais, mais idosos para a mesma previdência pública, mais estudantes para as mesmas escolas e universidades, mais carros para as mesmas ruas, mais pessoas para as mesmas favelas, mais dejetos para o mesmo sistema de esgoto e de tratamento de água, mais caminhões para as mesmas estradas, mais caos urbano para mesma segurança pública, mais conflitos para a mesma justiça.

Limitam-se aí os malefícios desta PEC?

Não. Esses são apenas os mais evidentes.

A população brasileira está envelhecendo rapidamente. Esse fato é certamente a inspiração econômica da PEC 241.

No dia 16 de agosto, o professor Pedro Rossi, da Unicamp, lembrou em audiência pública no Senado, que mesmo a reforma previdenciária mais radical que Temer conseguir aprovar não impedirá que a população brasileira continue a envelhecer. E nem a reforma previdenciária mais radical vai impedir que as despesas previdenciárias ultrapassem 8,6% do PIB em 2036, disse o professor.

Ora, se aprovada a PEC 241 e as despesas previdenciárias atingirem apenas 8,6% do PIB em 2036, e as despesas com saúde e educação ficarem congeladas, todos os outros gastos públicos – como funcionalismo, segurança, defesa, proteção contra catástrofes, obras viárias, saneamento, habitação, ciência e tecnologia, justiça, legislativo – terão que disputar apenas 1% do PIB.

Porque é isso que vai restar do orçamento para esses setores. Seria, então, a destruição do Estado Nacional

O absurdo de tal proposta me faz pensar que essa PEC visa apenas jogar a sociedade contra os aposentados, a saúde e a educação públicas e distrair os brasileiros para que não percebam que o nível atual de juros é incompatível com o envelhecimento da população , com a saúde e a educação públicas.

Enfim, reafirmando, os cálculos do professor Pedro Rossi mostram que a PEC 241 seria a destruição do Estado Nacional, da educação, da saúde e da previdência.

É isso que querem que o Congresso aprove?

Não. É ainda pior.

O governo e alguns poucos economistas lunáticos que estão defendendo essa proposta dão a entender que mesmo que tudo que dependa do Estado piore por 20 anos ou seja destruído, ao menos o setor privado poderá crescer e gerar empregos.

Mas isso também não acontecerá.

Nunca na história de um país grande houve crescimento econômico sem que houvesse crescimento dos gastos públicos.

Em tese, em um país bem pequeno, é possível que o setor privado cresça mais do que o setor público, porque – por ser pequeno – a maior parte da produção industrial e agrícola está voltada para as exportações. Além disso, quando o consumo interno cai, é possível aumentar as exportações sem gerar super oferta no mercado internacional.

Portanto, o mercado internacional pode ser decisivo no crescimento do setor privado em um país pequeno. Já em um país grande, o crescimento econômico depende primordialmente do crescimento do mercado interno, que depende dos gastos públicos.

Como somos um dos principais fornecedores no mercado internacional da maioria dos produtos que nós exportamos, como soja, café, carne, minério de ferro, algodão, celulose de eucalipto e mais, não é possível compensar a queda no consumo interno com mais exportações. Porque isso provocaria uma saturação no mercado de nossos produtos de exportação.

Além disso, as pessoas demitidas nos serviços e no comércio não poderiam trabalhar na indústria exportadora por não terem capacitação para isso, e por não existirem máquinas suficientes para emprega-las no Brasil, e nem mercado externo para absorver tal aumento das exportações.

Mesmo em países pequenos, como a Grécia, é muito difícil que a economia cresça se o setor público não acompanha, como a experiência recente mostrou.

Em um país grande é realmente impossível a economia crescer se os gastos públicos não crescerem, pois o consumo privado já está ajustado à renda das pessoas. Assim, se o gasto público não crescer, a renda e o mercado interno não poderão crescer.

E se o mercado interno não crescer, não haverá investimento do setor privado e assim o emprego e os salários não irão crescer.

Em casos excepcionais, e de forma marginal, é possível que o setor privado cresça mais rápido do que o setor público, nos breves momentos em que há uma euforia no investimento privado e taxas de juros muito baixas para financiá-lo a longo prazo.

Isso está muito distante da realidade brasileira. Taxas de juros baixas não é o caso do Brasil e não será pelos próximos 20 anos. Mesmo porque a PEC 241 tem como objetivo principal garantir que o governo pague as taxas de juros mais altas do mundo por 20 anos, sem tornar a dívida pública impagável.


Dessa forma, podemos concluir sem sombra de dúvidas que a PEC 241, caso seja aprovada, condenará o Brasil a 20 anos de recessão, estagnação, deterioração dos serviços públicos e das condições de vida.

Só isso?

Não, a PEC 241 consegue ainda ser pior…

O governo interino pode paralisar os gastos em pesquisa e desenvolvimento no Brasil, mas não pode parar o desenvolvimento tecnológico do resto do mundo. Portanto, como nossas empresas estão inseridas no mercado internacional, as máquinas usadas pelos empresários brasileiros continuariam a ser trocadas por outras mais eficientes, dispensando trabalhadores. Logo, o nível de emprego diminuiria nos próximos 20 anos.

Com o desemprego crescente, os salários cairiam continuamente e, em consequência, o mercado interno encolheria, o que levaria a economia a um ciclo vicioso de depressão.

Se em 2013, os jovens se revoltaram por 20 centavos de aumento nas passagens, nem posso imaginar o que fariam no contexto de depressão.

Só não estamos já em uma situação revolucionária e de guerra civil, porque:

1. quando Dilma colocou Levy para derrubar nossa economia, estávamos no menor nível de desemprego e com o maior salário médio da nossa história.

2. a mídia e os propagandistas do discurso de ódio nas redes sociais conseguiram convencer que estávamos, em 2013 e 2014, em uma crise moral e econômica profunda, quando, na verdade, a nossa situação econômica e social era a melhor da nossa história.

3. a mídia e os propagandistas do discurso de ódio nas redes sociais convenceram a maioria de que todos os problemas, reais ou imaginários, presentes, passados ou futuros eram a culpa da Dilma e que, portanto, queimar o “judas” no impeachment iria purgar a sociedade de todas as culpas e problemas.

Dessa forma, o povo demorou a sentir os efeitos da política recessiva que implantaram e ficou distraído com divisão sórdida que criaram na sociedade, enquanto todos esperam a fogueira do impeachment se apagar.


Quando isso acontecer e as Olimpíadas acabarem, nem as prisões espetaculares da Lava-Jato vão conseguir distrair a população de seus problemas reais e do que o governo interino está pretendendo aprovar no Congresso.

As pessoas aos poucos passarão a direcionar sua raiva contra o Congresso, o governo interino e suas políticas. E o governo e a governabilidade só se sustentarão com muita repressão, violência e censura.

Mas por quanto tempo, será possível represar a insatisfação?

Caso consiga conter a insatisfação popular por um ano, o governo Temer talvez crie as condições para uma revolta popular generalizada e um provável golpe militar preventivo, próximo às eleições de 2018.

Se não conseguir represar a revolta por tanto tempo, o Congresso deverá votar a eleição indireta no início do ano que vem, o que poderá distrair o povo por alguns meses.

De uma forma ou de outra e, mesmo sob uma ditadura de fato, a aprovação da PEC 241 tornará qualquer governo inviável. Ela transformará o convívio em sociedade no Brasil em um inferno, em razão da depressão econômica, da deterioração dos serviços públicos e da qualidade de vida. Nesse contexto, uma ditadura levaria a uma guerra civil antes do final da década.

A aprovação da PEC 241 contribuirá decisivamente para esse processo.

Mas a troco de que o governo interino está propondo medidas tão explosivas?

Em troca de uma suposta redução de um novo indicador contábil inventado pelos banqueiros, chamado de relação dívida bruta sobre PIB.

Não parece pouca vantagem para tamanha destruição de milhões de vidas e famílias?

Parece. Mas é ainda pior do que isso.

A PEC 241 não melhorará nenhum indicador contábil-fiscal.

Pelo contrário, piorará, porque em países grandes como o Brasil esses indicadores só podem ser melhorados por meio do crescimento econômico ou, eventualmente, por uma forte desvalorização cambial.

Se aprovada a PEC 241, o PIB e a arrecadação de impostos não vão crescer. Assim, mesmo que os gastos públicos fiquem estagnados, a dívida não poderá cair. Pelo contrário, em razão dos insanos juros que estão em vigor no Brasil, a dívida continuará aumentando!

Então quer dizer que o governo interino e o “mercado” ficaram loucos ao propor tal medida?

Não acho que seja isso. De fato, existe um fanatismo de “mercado” que é incapaz de perceber as tendências suicidas do fundamentalismo neoliberal.

Mas esse certamente não é o caso da pragmática cúpula do governo interino. Eles não têm convicções neoliberais, porque não têm convicções.

Essa mesma cúpula, ao promover o maior déficit primário em décadas, já traiu o “mercado” e as próprias promessas neoliberais contidas no documento “Uma Ponte para o Futuro”.

Eles não são tão idiotas irresponsáveis quanto parecem. Acredito que a PEC 241 não seja para valer. Ela é só uma cortina de fumaça para nos distrair, enquanto aprovam o que realmente lhes interessa.

E o que realmente interessa para eles?

1) A entrega do Pré-Sal às grandes multinacionais norte-americanas

2) As privatizações a preço de banana, com os inevitáveis pixulecos

3) A eliminação de direitos trabalhistas, sociais e previdenciários para satisfazer os financiadores do golpe

O governo interino não quer realmente aprovar a PEC 241. Para ele, quanto mais tempo, ficar em discussão no Congresso, melhor. No entanto, ao mesmo tempo, eles têm que mostrar ao “mercado” que estão se esforçando para aprovara PEC rapidamente.

Isso significa que os grandes tubarões do “mercado” são suicidas?

Não. Eles são tão pragmáticos quanto a cúpula do governo interino.

No momento, os tubarões estão atrás de pretextos, de factoides que provoquem uma euforia compradora das ações, empresas e títulos que eles adquiriram a preço de banana nos últimos dois anos, em razão da crise econômica por eles engendrada pela política de austeridade do Levy.

Ao mesmo tempo, o governo interino está, na prática, se lixando para responsabilidade e austeridade fiscal, pois promove o maior crescimento do déficit primário em décadas. Dessa forma, a PEC 241 é o único álibi que pode justificar algum respeito do atual governo à austeridade fiscal.

Como a mídia e os tubarões venderam ao “mercado” que as ações e títulos caíram de preço porque Dilma não teve “responsabilidade fiscal”, eles só podem criar uma euforia compradora se provarem que ao atual governo é o oposto de Dilma em termos de “responsabilidade fiscal”.

Ora, como todas as evidências mostram que o atual governo está sendo irresponsável e está se lixando para austeridade fiscal, criaram essa PEC 241 para tentar “provar” que são alucinados fundamentalistas do austericídio fiscal.

Por alguns meses, isso há de embalar as histórias de carochinha que a mídia vai contar sobre a conversão da cúpula do governo ao fundamentalismo de mercado e, assim, dar embasamento narrativo à euforia das bolsas, para vender a preços elevados as ações que os tubarões compraram a preço de banana nos últimos 2 anos.

Ao mesmo tempo, distraem o Congresso, a esquerda e o povo, enquanto aprovam o que realmente querem: vender as riquezas nacionais e o patrimônio público a preço de fim de feira, e cortar direitos sociais.

Parece o plano perfeito, mas não estão contando com o despertar do povo do sono profundo em que foi embalado. Um sono regado a ódio político, muita espetacularização de operações policiais, prisões preventivas mal explicadas e vazamentos ilegais de processos judiciais.

Também não estão contando que podem errar a mão e acabar aprovando a PEC 241.

Se isso acontecer, nenhum simulacro de democracia ou de estabilidade sobreviverá.

Quem viver, verá.

Sócia de Kim Jong Un faz sucesso nas Olimpíadas do Rio


Redação com Sputniknews

Muita gente se surpreendeu com a presença de um sócia do líder Kim Jong Un da RPD Coreia - Coreia do Norte, nas Olimpíadas do Rio.

Conforme vídeo abaixo, o sócia fez sucesso e muitas pessoas pediram para tirar fotografias e selfies ao lado do sócia de Kim Jong Un. Ele mal conseguia andar pelas ruas diante do assédio das pessoas.

Dentro do estádio a segurança teve de pedir para que ele parasse de circular entre as cadeiras porque as pessoas se aglomeravam ao seu redor.


Mas tudo não passou de uma brincadeira. Foi uma performance de um tal Howard, cidadão da Austrália, que de verdade se parece muito com Kim. O seu perfil no Facebook é chamado Kim Jong "Um". A postagem mais recente dele diz respeito a um discurso do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach.

"Depois do discurso do presidente do COI, dois delegados norte-coreanos vestindo fatos da República Popular da Coreia do Norte passaram perto de mim e ficaram totalmente pasmos ao me ver com a bandeira da Coreia do Norte. Eles passaram cerca de 10 segundos falando, antes de um deles se acercar de mim e apertar a minha mão. Eu o saudei em coreano, e a expressão desconcertada nos rostros daqueles homens era absolutamente impagável!"

Howard vive em Hong Kong e começou a imitar o líder da Coreia do Norte em 2013, dois anos depois de Kim Jong-un assumir a liderança do país, após a morte do seu pai e ex-líder, Kim Jong-il.

Assista o vídeo em: https://youtu.be/XpdxRLrPXSg

ELEONORA: GOLPE FARÁ O BRASIL VOLTAR A SER QUINTAL DOS ESTADOS UNIDOS


"O Brasil entrou no centro da disputa geopolítica mundial. Tem riquezas naturais, mercado interno, posição estratégica", diz a jornalista Eleonora de Lucena, que foi editora-executiva da Folha; segundo ela, "os Estados Unidos, acostumados a nadar de braçada no continente, começaram a ver o avanço chinês no que consideram seu quintal" e decidiram reagir; ela avalia que esse projeto de recolonização é o real propósito do golpe por trás da chegada de Michel Temer ao poder, mas faz um alerta: "o Senado vai enfrentar o julgamento da história"

247 – O golpe de 2016 faz parte de um projeto de recolonização do Brasil e fará com que o País volta a ser, como no passado, um quintal dos Estados Unidos.

A avaliação é da jornalista Eleonora de Lucena, que foi editora-executiva da Folha de S. Paulo, em artigo publicado nesta segunda-feira.

Leia abaixo:

Truculência

Por Eleonora de Lucena

O Brasil entrou no centro da disputa geopolítica mundial. Tem riquezas naturais, mercado interno, posição estratégica. Construiu economia diversificada e complexa, terreno para grandes empresas nacionais e ambiente potencial para desenvolvimento de tecnologias de ponta.

Os Estados Unidos, acostumados a nadar de braçada no continente, começaram a ver o avanço chinês no que consideram seu quintal. Investimentos, comércio, parcerias com os orientais cresceram de forma exponencial.

Não parece ser coincidência a intenção norte-americana de voltar a ter bases militares na América do Sul (na sempre sensível tríplice fronteira e na Patagônia, que vigia o estreito de Magalhães, curva entre dois mundos). Nem parece ser ao acaso a escolha dos alvos do momento: a Petrobras, as grandes empresas e até o programa nuclear.

Nos últimos anos, o país mostrou zelar por sua autonomia e buscou alianças fora da influência dos EUA. Com China, Rússia, Índia e África do Sul, o Brasil ergueu os Brics e um banco de desenvolvimento inovador.

Aqui, reforçou o Mercosul – alvo imediato de ataque feroz do interino, afoito em mostrar serviço para o Norte e ressuscitar relações subalternas.

Esse contexto maior escapa da verborragia conservadora, ansiosa em reduzir a crise atual a um confronto raso entre supostos corruptos e hipotéticos éticos. Bastaram poucas semanas para deixar evidente a trama hipócrita e podre do bando que tenta abocanhar o poder.

O que está em jogo é muito mais do que uma simples troca de governo. É a própria ideia de país.

Falar de luta de classes e de projeto nacional deixou alguns leitores ouriçados. Mas, apesar da operação de marketing em curso, os objetivos do atropelo à Constituição são claros: concentrar riqueza, liberar mercados, desnacionalizar a economia, desmantelar o Estado.


O discurso dos sem-voto que se aboletaram no Planalto tenta editar um macarthismo tosco, elegendo um inimigo interno. Agridem os de vermelho (sempre eles!), citados como os culpados de todo o mal, numa manobra conhecida dos movimentos fascistas desde o início do século 20.

Quem se atreve a discordar do rolo compressor elitista é logo tachado de "maluco" pelos replicantes da direita raivosa. Dizem que os que apontam as contradições atuais são saudosos do século 19.

Viúvos do século 19 são os que querem agora surrupiar direitos e restabelecer condições de exploração do trabalho daqueles tempos. Com a retórica de uma suposta modernidade, atacam conquistas sociais e pregam o desmonte da corajosa Constituição de 1988.

Alegam que a matemática não permite que o Estado cumpra suas funções perante os cidadãos. Para eles, a matemática deve servir apenas aos mais ricos e a seus juros maravilhosos. Num giro chinfrim, mandam às favas o tal controle do deficit público: gastam tudo para atender corporações, amigos e ganhar votos.

Com uma cortina de fumaça, arriscam confundir esquerda com autoritarismo. Projetam, assim, no adversário, os seus desejos ocultos. Afinal, o programa dos não eleitos só poderá ser implantado integralmente num regime de força, que censure e elimine a voz dos mais fracos.

As exibições de truculência absurda nos estádios da Olimpíada, proibindo manifestações de "Fora, Temer!" e rasgando os direitos constitucionais de livre manifestação e opinião, parecem ser uma terrível amostra de tempos sombrios pela frente.

O Senado vai enfrentar o julgamento da história.

União Europeia sobre os incêndios em Portugal: "Deixa queimar"


Há mais de uma semana Portugal sofre com uma série de grandes incêndios que provocou a perda de vidas e destruiu casas e prédios. Neste artigo publicado no jornal Avante!, do Partido Comunista Português, Ângelo Alves denuncia o descaso da União Europeia diante da tragédia.

Portugal está a viver um momento grave com as centenas de incêndios que deflagraram no continente e na região autônoma da Madeira. Só na semana entre 6 e 12 de agosto arderam 96.477 hectares, 20 vezes mais do que tinha ardido desde o início de 2016. Ao momento da redação deste artigo encontram-se ativos quase meia centena de incêndios. Trata-se de uma situação excepcional que exige medidas excepcionais.

Por Ângelo Alves

O governo português acionou, bem e a tempo, os acordos bilaterais de ajuda ao combate a incêndios e o mecanismo europeu de proteção civil. De Marrocos chegaram rapidamente dois aviões Canadair e da Rússia dois Beriev, aviões de grande capacidade. Da União Europeia chegaram dois Canadair espanhóis, país com o qual temos um acordo bilateral de combate a incêndios nas zonas de fronteira e com quem tradicionalmente temos uma cooperação bilateral nesta área, e um Canadair de Itália. França afirmou estar a considerar enviar recursos.

A "ajuda" da União Europeia é vergonhosa e demonstrativa da real "solidariedade" com que podemos dali contar. Tão vergonhosa que até o governo português sinalizou a crítica. A resposta política da UE, essa, chegou e foi lesta: "Neste momento vários Estados-membros estão a enfrentar graves incêndios florestais ou perigo extremo de incêndio florestal. Consequentemente, a disponibilidade de aviões é muito limitada".

Se a falta de solidariedade é já por si grave, a mentira na resposta política é criminosa. Basta olhar para os dados e mapas do sistema europeu de informação de fogos florestais (1) para chegar às seguintes conclusões:

1 – Portugal tem neste momento, sozinho, metade (101 mil hectares) de toda a área ardida na União Europeia;
2 – Os principais focos de incêndio concentram-se maioritariamente nos países que enviaram meios ou consideram enviar, Espanha, Itália e França;
3 – Portugal e Espanha, a par com a Grécia, são os países onde o risco de incêndio é máximo. Na Europa Central e do Norte o risco é baixo ou moderado.

É caso para dizer que a União Europeia não serve nem para apagar fogos. A sua resposta ao drama que estamos a viver bem poderia ser traduzida na expressão "deixa arder".

1 – http://forest.jrc.ec.europa.eu/effis/

Fonte: Resistencia.cc
-----------------------------------------------------------------------

Aviões anfíbios russos extinguem mais um foco de incêndio em Portugal


Dois aviões anfíbios russos Beriev Be-200 que combatem os incêndios florestais em Portugal nas últimas 24 horas eliminaram outro foco de incêndio na parte continental do país, informou o Ministério para as Situações de Emergência da Rússia.

"Em 20 de agosto, dois aviões anfíbios Be-200 liquidaram um foco de incêndio em uma área total de 100 hectares", diz o comunicado do ministério.

Nas últimas 24 horas, os aviões russos realizaram 20 descargas, equivalendo a um total de 240 toneladas de água, precisa o texto.

O trabalho dos pilotos russos impediu o avanço das chamas para a aldeia de Santo Amador, no sudeste do país.

Os Be-200 russos chegaram a Portugal em 13 de agosto e em uma semana foram extintos 9 focos de incêndio em uma área de 1.200 hectares, evitando a propagação do fogo a cinco povoados e dois parques nacionais.
O avião anfíbio Beriev Be-200 foi criado especialmente para combater os incêndios florestais e é capaz de carregar de cada vez até 12 toneladas de água, que pega em qualquer rio ou lago sem necessidade de voltar para a base.

As tripulações dos aviões russos enviados a Portugal a pedido do Governo português contam com uma vasta experiência no combate aos incêndios, em particular na Grécia, Montenegro e Sérvia.

Sputniknews

Bolívia inaugura escola de formação de militares anti-imperialistas


O presidente da Bolívia, Evo Morales, inaugurou nesta quarta-feira a Escola Anti-imperialista dos Povos de Abya Yala e das Forças Armadas (FFAA) Juan José Torres, localizada no município de Warnes, no departamento de Santa Cruz. Segundo o mandatário, a instituição simboliza um compromisso político e ético com o país, a região e o mundo.

Durante seu pronunciamento de inauguração, Evo disse que a Escola Anti-imperialista “vai contribuir para se viver em um mundo melhor, mais justo, equitativo e sem violência”. Em sua conta no Twitter afirmou que a nova instituição é uma forma de resistência à Escola das Américas, a instituição do Departamento de Defesa dos Estados Unidos cujo principal objetivo é “formar militares anti-comunistas”.

“Esta escola é um compromisso político e ético com o país, com a região e com o mundo porque não só é justo, mas moralmente necessário viver em condições de igualdade, de dignidade e irmandade”, explicou o presidente.

Evo esclareceu que a instituição não será utilizada apenas por membros das Forças Armadas, mas também por militantes de movimentos sociais e ativistas de direitos humanos. “As Forças Armadas e os movimentos sociais são uma só força para defender a pátria”.

Evo convidou os movimentos sociais de todo o mundo a somarem esforços em prol da Pátria Grande, para garantir a soberania e a independência do continente. “Nossa luta de libertação requer forjar um planejamento alternativo que rechace toda forma de dominação”.

Para Evo, a educação das Forças Armadas de toda a América Latina deve estar baseada em um grande bloco estratégico que contribua com a paz, seja capaz de resolver as diferenças de forma pacífica e rechaçar a guerra por razões morais, políticas, sociais e econômicas. Além de exercer a diplomacia dos povos, evitar a instalação de bases militares estrangeiras e fortalecer a luta contra o capitalismo e contra o imperialismo e defender a Mãe Terra.

“Devemos mudar a matriz econômica do planeta, o capitalismo é a matriz da morte porque destrói o ecossistema”, disse Evo ao recordar que um dos papeis das Forças Armadas deve ser trabalhar na preservação dos recursos naturais.

O presidente disse ainda que para atingir estes objetivos é necessário “descolonizar a pátria grande e lutar para que não existe mais imperialismo no planeta”.

Do Portal Vermelho, com informações do Nodal

Organizadores dos Jogos Olímpicos hastearam bandeira errada da China mais uma vez


O consulado chinês já apresentou uma reclamação por a sua bandeira ter sido mais uma vez hasteada de forma errada nos JO no Rio. O incidente provocou fortes críticas do lado chinês, comunica o Global Times.

A bandeira chinesa, de cor vermelha, possui cinco estrelas douradas no canto superior esquerdo. Quatro estrelas pequenas formam um semicírculo à direita da estrela principal.
Internautas da China apontaram que nas bandeiras hasteadas durante a cerimônia de condecoração das medalhistas de tiro chinesas Du Li e Yi Siling, a bandeira mostrava as estrelas paralelas entre si, o que é errado. A mesma bandeira foi hasteada em honra da campeã de tiro Zhang Mengxue, ganhadora da primeira medalha de ouro da China.

O Cônsul chinês expressou "descontentamento bem marcado" por causa do acontecimento. Segundo os dados da mídia o Comitê Rio2016 prometeu "pedir profundas desculpas ao governo chinês e povo da China".

Sputniknews

Ejército sirio mata a alto comandante de Frente Al-Nusra en Alepo


Abu Faisal al-Halabi, alias Sheij Ali, un alto comandante de campo del grupo terrorista Fath al-Sham (antiguo Frente Al-Nusra) en Alepo.

Un alto comandante de Fath al-Sham murió en los enfrentamientos registrados durante el fin de semana en la provincia de Alepo (norte de Siria).

Una fuente militar indicó el domingo al portal local Al-Masdar News que Abu Faisal al-Halabi, alias Sheij Ali, un alto comandante de campo del grupo terrorista Fath al-Sham (antiguo Frente Al-Nusra) en Alepo, perdió la vida en los enfrentamientos registrados la noche del sábado con el Ejército sirio en el sur de Alepo.

Al-Halabi es el segundo comandante terrorista de Alto rango que pierde Fath al-Sham en los referidos choques.

La ciudad de Alepo se la disputan las fuerzas de Damasco y los grupos extremistas, vinculados con Al-Qaeda, y que cuentan con el apoyo de los llamados rebeldes sirios desde el verano de 2012, cuando los insurgentes conquistaron amplias áreas de la urbe.

ask/ktg/nal/HispanTv

Ejército entra a Academia Militar en campo suroccidental de Alepo


Fuerzas del Ejército sirio.

Las ‘Fuerzas Tigres’ del Ejército sirio entraron a la Academia Militar, ubicada en el campo del suroeste de la ciudad siria de Alepo (norte).

Según el portal local Al-Masdar News, esta nueva victoria se registró la tarde del domingo después de que los tigres sirios bombardearan las posiciones de una coalición terrorista denominada el Ejército de la Conquista (Yeish al-Fath) en la academia.

Aún continúan los enfrentamientos dentro del recinto para expulsar por completo a los terroristas, si bien el Ejército ya ha roto la intensidad de sus filas.

Desde finales de julio, Alepo, la segunda ciudad más importante de Siria y principal bastión de los grupos extremistas, es escenario de feroces enfrentamientos entre el Ejército sirio y el grupo Yeish al-Fath, que trata de romper el cerco del Ejército impuesto a sus posiciones en el sur y el este de la urbe.

ask/ktg/nal/HispanTv

Vídeo: Policía iraquí frustra plan de un niño suicida de Daesh



Un vídeo divulgado el domingo muestra cómo la Policía iraquí frustra el intento de un menor de 12 o 13 años, de perpetrar un ataque suicida en el norte del país.

Las imágenes impactantes muestran a un niño llevando una camiseta de FC Barcelona con el nombre y número de su superestrella Lionel Messi, que se rompe en lágrimas cuando resulta detenido por los efectivos policiales en la provincia de Kirkuk.

Según el portal local Rudaw, los agentes kurdos de la Policía iraquí le quitan el cinturón explosivo que llevaba adosado al cuerpo antes de que logre detonarlo. Después llevan al niño en un vehículo policial. El suicida había planeado realizar un atentado fuera de una mezquita chií.

Horas antes en la misma jornada del domingo, otros dos suicidas lograron detonar las cargas explosivas que llevaban adosadas al cuerpo en esta provincia. Al menos tres personas resultaron heridas en uno de los atentados, mientras que el otro no dejó ninguna víctima.


“Hay una campaña peligrosa contra Kirkuk esta noche”, indicó al portal iraquí un agente policial.

Es alarmante la cifra de los niños que entrena el grupo terrorista EIIL (Daesh, en árabe) para luego utilizarlos en sus misiones suicidas no solo en este país árabe, sino en otras partes del mundo.

El domingo, el presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ha indicado que un suicida de entre 12 y 14 años, fue el autor del atentado que se registró el sábado, a las 22H50 (19H50 GMT) en un salón de bodas en la ciudad turca de Gaziantep (sur), dejando 51 muertos y 69 heridos.

EIIL abrió varias oficinas en Irak y Siria para reclutar a menores de edad, tras ver fracasados sus esfuerzos por atraer nuevos voluntarios a sus filas. En agosto de 2015, Fazel al-Qaravi, miembro de la Oficina para Secuestrados Izadíes, informó de que esta banda takfirí cuenta con cuatro centros militares especiales en la ciudad norteña de Mosul en los que entrena a niños para realizar ataques suicidas.

ask/ktg/nal/HispanTv

Pekín le marca una 'línea roja' a Japón en el mar de la China Meridional


Pekín advierte a Tokio sobre acciones militares si Japón decide mandar a navegar a sus buques de guerra junto a los de EE.UU. bajo el pretexto del principio de la libertad de navegación.

China ha advertido este sábado a Japón que responderá de forma severa, lo que podría desembocar en acciones militares, si Tokio rebasa la "línea roja" para unirse a los buques de guerra de Estados Unidos que patrullan en el mar de la China Meridional, en torno a las aguas e islas en disputa que reclama Pekín, bajo el pretexto del principio de la libertad de navegación, explicó el embajador de China en Japón, Cheng Yonghua, informa 'The Japan Times'.

El embajador chino ha advertido a Tokio que las corbetas de las Fuerzas de Autodefensa de Japón no deben unirse a las maniobras militares estadounidenses en zonas que Pekín considera parte de su territorio. China "no permite cuestionar su soberanía y no teme ninguna provocación militar", apuntó el diplomático. No obstante, el embajador subrayó que esto es solo una advertencia y aseguró que, de momento, -según su información- Tokio no tiene planeado navegar junto a los barcos de Washington, que han intensificado su presencia y sus maniobras en torno a las islas artificiales que China ha construido en este mar.

Por su parte, EE.UU. insiste en navegar por las aguas asiáticas en disputa aferrándose a la premisa del principio de libertad de navegación, lo que ha provocado numerosas quejas de China, que tacha estas incursiones de provocaciones. Este principio está contenido dentro del convenio de 1982 de la ONU sobre el Derecho del Mar, que no ha sido ratificado por EE.UU.

Durante los últimos meses, China ha reforzado su presencia militar marina en la región, algo que sus vecinos y Estados Unidos, en alianza con éstos, han realizado igualmente como contramedida, lo que ha desembocado en una militarización sin precedentes de las aguas en el Extremo Oriente.

El pasado 12 de julio el Tribunal Permanente de Arbitraje de La Haya dictaminó que Pekín no tiene "derecho histórico" sobre los territorios en disputa en el mar de la China Meridional. De esta forma, La Haya falló a favor de Filipinas en su litigio con China sobre las islas Spratly y las Paracelso.
Pekín niega que La Haya tenga competencia para dirimir el caso y afirma que, debido a su uso histórico de las aguas y de los peñones, tiene derecho a casi el 90% del las aguas del mar de la China Meridional.
Para reforzar sus demandas China ha aumentado su presencia militar en la región e incluso ha construido unos islotes artificiales.

Actualidad RT

domingo, 21 de agosto de 2016

BOFF: ‘ASSUSTA OS EUA NEGOCIAREM DUAS BASES MILITARES COM MACRI’


Opera Mundi* - Franciscano até 1992, Leonardo Boff concedeu uma entrevista ao jornal argentino Página/12, na qual narrou sua própria experiência perante a Inquisição e questionou o rumo do Brasil e da Argentina com a subordinação aos capitais transnacionais.

Este sujeito alto e bonachão de 77 anos que conversa com o Página/12 sobre sua preocupação com o Brasil e a Argentina é o mesmo que em 1992 decidiu abandonar os hábitos quando era padre franciscano e o Vaticano o ameaçava outra vez com a mesma condenação já sofrida em 1985: o silêncio. E o silêncio não era a especialidade de um dos fundadores da Teologia da Libertação.

Segue sem gostar de ficar calado. Boff recebe este jornal em um hotel simples de Palermo. Ao meio-dia esteve conversando com a presidente da Associação das Mães da Praça de Maio, Hebe Bonafini, no programa de rádio do ex-embaixador no Vaticano Eduardo Valdés, seu amigo.

Às 17h, de um domingo raivoso e olímpico, Boff deve ser o único ser humano que não assiste tênis pela televisão. Chega a fotógrafa do jornal. Enquanto posa para a fotógrafa, conta que faz muitos anos explicou o que era a mística diante de um fotógrafo de O Globo. Quando cruzou os braços, ficou em posição de dar banana.

– Escreveram que eu tinha dado banana ao Papa – narra Boff com cara divertida. Aqui se diz assim?

Não, mas usamos muito o gesto.

Evidentemente publicaram essa foto.

E era verdade que você deu banana ao Papa?

Não. Até teria gostado, mas não podia. Nesse momento, João Paulo II já me tinha imposto o silêncio.

O Vaticano não o silenciou de qualquer modo. Em 1985, condenou-o ao silêncio quando ainda era padre. Antes foi julgado pela Congregação para a Doutrina da Fé, como se chama agora a velha Inquisição. Era Joseph Ratzinger, que em 2005 seria entronizado papa como Bento XVI.

– O prédio está à esquerda da grande praça, para quem vai na direção da Basílica de São Pedro. Foi uma experiência terrível. Entrei por um longo corredor ao qual davam galerias com tapetes vermelhos. Em um determinado momento vi ao fundo uma porta muito pequena. Tive que me abaixar, porque percebi que erguido não entraria. É uma área escura e tenebrosa. O cardeal estava sentado em seu lugar, sobre um tablado a meio metro do chão. Tudo claro: ele estava acima de mim. Ao lado já se havia sentado o notário. Fizeram-me sentar na mesma cadeira onde esteve sentado Galileu Galilei, e não é uma metáfora: era a mesma cadeira. O interrogatório foi duro. O cardeal Ratzinger aceitou que em uma das partes eu pudesse falar com ele junto com dois cardeais brasileiros, Paulo Evaristo Arns e Aloísio Lorscheider.

Escolheu dois cardeais progressistas.

Sim, em um momento éramos três contra um. Disseram-lhe que a teologia escrita por mim era boa para as comunidades. Ratzinger tinha escrito artigos criticando-a. Um dos cardeais lhe disse que ele tinha feito a escolha de um gramático, em vez de um engenheiro, para construir uma ponte. “Venha a Fortaleza, fale com os camponeses, reze com eles e conosco, participe de nossas celebrações e depois dê sua opinião”, lhe propus. Ratzinger tremia. “Não posso fazer isso, não é tradição do Santo Ofício sair daqui”. Psicologicamente, isso é muito forte, porque para cada pessoa da Igreja representa toda uma história e então alguém pode se sentir sozinho e abandonado. Levei o apoio escrito de 100 mil pessoas de todo o mundo, incluindo um cardeal coreano e outro filipino.

Minha causa era justa: a dos pobres do mundo. Continua a ser a mesma. Do contrário, olhe para o que está acontecendo no continente.


Ou por um golpe, como no Brasil, ou pelo voto, como na Argentina, na América Latina avançam os processos neoconservadores. Por quê?

Há uma nova guerra fria que se trava entre os Estados Unidos e a China. A China está entrando na América Latina e o Brasil pertence aos BRICS. Então, ao atacar o Brasil, atacam a China e seus enormes investimentos: somente no ano passado investiu 54 bilhões de dólares em uma ferrovia que une o Atlântico ao Pacífico. Também investiu em portos e infraestrutura, obviamente para favorecer as exportações para a China.

E o que querem, segundo você, os Estados Unidos?

Não veem com bons olhos o avanço das relações com a China, porque eles querem controlar o continente. A ideia chave do Pentágono é dupla. Por um lado, um só mundo, um só império. Por outro lado, cobrir todos os espaços. Assunta-nos o fato de que os Estados Unidos estejam negociando com Mauricio Macri duas bases militares: uma na Patagônia e a outra nos limites entre o Brasil, Paraguai e a Argentina, perto do maior aquífero de água doce do mundo.


É verdade que o Papa disse que o processo no Brasil é “obra dos capitalistas”?

O Papa se aproximou muito da Dilma e a Dilma se entusiasmou muito com ele. Sempre buscou saudá-lo em cada viagem à Europa. Mas, além disso, o Movimento Sem Terra tem o apoio do Papa. Em uma das viagens ao Vaticano, os dirigentes se fizeram acompanhar pela atriz brasileira Letícia Sabatella. Letícia contou a situação e disse que a principal coisa era defender a democracia, porque atacar a Dilma era atacar a democracia, e a fragilização da democracia, disse ela, traria formas violentas de repressão social. Ao ouvi-la, o Papa teria lhe dito: “É obra do capitalismo. Do capitalismo do Brasil e do capitalismo transnacional”.

O que os capitalistas querem fazer e que não puderam fazer antes e necessitam de governos conservadores?

Penso que o Papa viu que o neoliberalismo, que dá mais valor ao mercado que ao bem comum, produz uma grande marginalização e uma grande pobreza. Os 40 milhões que foram tirados da fome no Brasil começam a voltar à sua situação original. No Brasil, como se sabe, o vice-presidente, que assumiu como presidente interino, demitiu o gabinete da Dilma e atacou o Ministério do Bem-Estar Social e da Reforma Agrária. Os projetos sociais têm cada vez menos financiamentos. A Cultura passou de ministério a uma subsecretaria na Comunicação. Temer cortou a metade dos subsídios destinados às universidades públicas.

O Papa entendeu, na minha opinião, que o golpe parlamentar sem baionetas busca o mesmo efeito antes buscado pelo golpe militar: reforçar o grupo dos grandes capitalistas nacionais articulado com os capitalistas transnacionais em função de uma acumulação maior, o que se faria privatizando os bens nacionais. A produção seria para a exportação. Há um projeto de recolonização da América Latina para torná-la cada vez mais uma zona de exportação de commodities e não agregue valor aos seus produtos. Que exportemos matérias-primas puras. Soja ou minerais, seja lá o que for...

Neste cenário, a América Latina forneceria bens que não existem em outros lugares. O Brasil tem mais de 70 milhões de hectares de terra para produzir. O Brasil sozinho poderia saciar a fome de todo o mundo. E temos água de sobra. Isso cairia sob o controle do grande capital privatizado ou internacionalizado. O Papa se dá conta do fenômeno e de que os pobres voltarão à miséria e à fome.

Thomas Piketty, que escreveu o livro O Capital no Século XXI, disse que onde entram as relações sociais do capital a primeira coisa que aparece é a desigualdade. O capital é bom para o enriquecimento e ruim para a distribuição e a justiça social. É a última fase da acumulação capitalista. Há pesquisas muito interessantes do economista Ladislau Dowbor. Um dos seus artigos resume uma pesquisa suíça que revelava a existência de 737 megacorporações que controlam 87% dos fluxos econômicos e financeiros do mundo. Eles decidem investir, onde roubar riquezas e dólares, quais partidos apoiar e que governos desestabilizar. Paraguai, Honduras, Brasil.

A tendência também se confirma com as políticas de Mauricio Macri. Na Argentina, o Estado assume uma política privatista e não discute mais com a sociedade. Dialoga com as empresas. No final do socialismo e mais ainda após o seu término, Ronald Reagan e outros presidentes se propuseram a aplicar o capitalismo puro. Não há sociedade, mas indivíduos. E os indivíduos comem-se uns aos outros, não cooperam entre si. José Graziano, diretor da FAO, informou que até a crise de 2008 havia 800 milhões de pessoas passando fome no mundo e que agora há cerca de um bilhão. A acumulação da riqueza concentra-se em um núcleo cada vez menor.

Por que menciona especialmente Macri em sua descrição?

Porque não se pode analisar a Argentina ou o Brasil somente a partir de um dos dois países nem analisar os dois maiores países da América do Sul, sem analisar a tentativa dos Estados Unidos de alinhar os países dentro da estratégia imperial. O Brasil tem um mercado de mais de 200 milhões de habitantes. Em 13 anos de PT no poder ficou demonstrado que há dois projetos em jogo. Os dois querem ser democráticos. Mas a democracia neoliberal é para poucos. Faz políticas ricas para os ricos e políticas pobres para os pobres.

No relato sobre a visita de Letícia Sabatella você citava quantos super-ricos há no Brasil.

Sempre recordo esse número: 71.400 super-ricos que controlam mais da metade do Produto Interno Bruto. Sobre uma população de 210 milhões de habitantes. O Banco Mundial já disse que a maior acumulação de capital acontece no Brasil. São os capitalistas mais antipopulares e mais antissociais, têm grande parte das fortunas no exterior, em paraísos fiscais, e operam por meio de sociedades off-shore. É um exemplo, justamente, dos dois tipos de democracia. A reduzida, de Estado mínimo e mercado máximo, com o ataque aos projetos sociais. O outro tipo de democracia, que no Brasil foi o de Lula, é o de democracia inclusiva, aberta a todos. O dado dos 71.400 super-ricos é do IPEA, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. É muito sério. A correlação mundial de forças não permite que possamos impedir a acumulação do capital. Mas, pelo menos, podemos colocar-lhe algum limite. Devemos fazê-lo.

* Texto publicado originalmente em espanhol pelo site Página/12 e em português pelo IHU com tradução de André Langer

Cientos de hombres armados planean ataque en Siria desde Turquía


Opositor armado sirio bombardea posiciones del Ejército de Siria, 31 de julio de 2016.

Cientos de hombres armados se están preparando para lanzar una operación en el norte de Siria desde el interior del territorio turco.

"Las facciones se están reuniendo en un área cercana a la frontera (dentro de Turquía)", ha dicho un alto mando de la oposición armada de Siria, que conoce los planes pero declinó ser identificado.

Los grupos armados respaldados por Turquía que combaten bajo la bandera del autodenominado Ejército Libre Sirio (ELS) ―que lucha contra el Gobierno sirio―, tienen previsto atacar la localidad vecina siria de Jarablus (norte) que está bajo el control del grupo terrorista EIIL (Daesh, en árabe) desde territorio turco en los próximos días, ha añadido la fuente.

La ofensiva a Jarablus frustraría las esperanzas kurdas de seguir expandiéndose en esa zona. Si capturan Jarablus por su cuenta, los grupos armados se adelantarían al previsible asalto de las Fuerzas Democráticas Sirias (SDF, en inglés), un grupo apoyado directamente por EE.UU. en Siria, que consiguieron liberar el pasado 12 de agosto la ciudad de Manbiy, en el norte de Siria, de manos de los terroristas de Daesh.

El primer ministro turco, Binali Yildirim, dijo el sábado que Ankara está dispuesta a desempeñar un papel más activo en el conflicto sirio para evitar que el país se divida en zonas étnicas.

Tales declaraciones de Yeldirim hacia Siria no significan que el país está determinado a luchar contra los terroristas en Siria y apoyar al presidente sirio, Bashar al-Asad. Turquía teme que el fortalecimiento de las Unidades de Protección del Pueblo Kurdo (YPG, por sus siglas en kurdo) en el norte de Siria dé ánimo a su propia insurgencia kurda (Partido de los Trabajadores del Kurdistán), a la que combate desde hace décadas en el sureste de Turquía.

El temor de las autoridades turcas a los kurdos de Siria se debe a su avance en el norte del país, que podría permitirles conectar la ciudad de Afrin, en la provincia de Alepo (noroeste), a la ciudad de Kobani (norte), con lo que ―a juicio de Ankara― formarían un Estado kurdo unido con apoyo del Partido de los Trabajadores del Kurdistán (PKK).

alg/ktg/rba/HispanTv

Teerã apresenta novo sistema antiaéreo de produção própria


O Irã apresentou oficialmente neste domingo (21) o novo complexo móvel antiaéreo de sua própria produção, o Bavar 373 (Símbolo de Fé 373), informou a agência Mehr.

O complexo é equipado com estação de radar com antena em fase, parecida com a estação de radar russa 96L6. O complexo pode detectar alvos aerodinâmicos e mísseis balísticos a médias e grandes distâncias.
A apresentação do sistema teve lugar durante uma feira na sede da Organização de Indústria Aeroespacial do Ministério da Defesa do Irã e foi destacada pela presença do presidente do país Hassan Rouhani e do ministro da Defesa Hossein Dehghan.


O presidente do Irã Hassan Rouhani (terceiro à esquerda) e o ministro da Defesa Hossein Dehghan (segundo à esquerda) perto do sistema de mísseis Bavar 373 em Teerã, Irã, 21 de agosto de 2016

Especialistas também informaram sobre o processo de criação do primeiro motor turboreativo iraniano, assim como caças, aviões de transporte, helicópteros e drones.

Os militares iranianos haviam anunciado em fevereiro de 2010 o início de criação do seu próprio complexo antiaéreo, que alegadamente tem caraterísticas semelhantes às dos mísseis S-300 russos.

Em 20 de agosto o ministro da Defesa do Irã Hossein Dehghan informou que Teerã já recebeu a maior parte dos S-300 russos encomendados e está a espera de fornecimento da parte restante dentro de um mês.

Os S-300, análogos aos mísseis norte-americanos Patriot, têm alcance de até 200 quilômetros, o que permitirá ao Irã contar em breve com um escudo antimísseis considerado invulnerável.
O contrato de fornecimento de sistemas S-300 ao Irã foi assinado em 2007. Porém, a sua execução foi suspensa por causa da Resolução 1929, aprovada em 9 de 2010 pelo Conselho de Segurança da ONU e que proibiu a entrega ao Irã de armamentos modernos, inclusive mísseis e sistemas de mísseis. Mais tarde, devido ao progresso nas negociações sobre o programa nuclear iraniano, a proibição foi levantada, tendo o contrato entrado novamente em vigor em novembro do ano passado.

Sputniknews