quarta-feira, 29 de junho de 2016

‘GRANDE MÍDIA É A CAIXA DE RESSONÂNCIA DO GOLPE, MAS JUDICIÁRIO É O ATOR PRINCIPAL’, DIZ SOCIÓLOGO DA UNICAMP


Laymert Garcia dos Santos durante evento dos Advogados pela Democracia em Curitiba (Eduardo Vernizi / Brasil de Fato)

Camilla Hoshino e Anderson Marcos dos Santos | Brasil de Fato | Curitiba

Para Laymert Garcia dos Santos, professor do departamento de Sociologia da Unicamp, ‘esse golpe é, antes de tudo, jurídico’, com o Judiciário liderando estratégia de desestabilização ‘em articulação com o Legislativo e com a grande mídia’

Na opinião de Laymert Garcia dos Santos, sociólogo da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), a grande mídia funciona como uma caixa de ressonância do golpe no Brasil, mas o grande ator desse processo é o Poder Judiciário. “Utiliza-se a lei de forma excepcional. Isso implica justamente dizer que o Estado de Direito é suspenso”, explica.

Nesse sentido, segundo Santos, a construção do discurso por meio do próprio Direito, através de apurações seletivas promovidas pela Operação Lava Jato, serviu para criminalizar a esquerda no país. “É justamente aí que entram os meios de comunicação para ganhar a chamada opinião pública. Eles funcionam como uma caixa de ressonância para tornar credível e aceitável uma única versão das coisas”, analisa.

Laymert Garcia dos Santos é Doutor em Ciências da Informação pela Universidade de Paris VII, Mestre em Sociologia das Sociedades Industriais pela Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais (EHESS) e professor titular do departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp. Ele participou no dia 18 de maio de um encontro promovido pelo coletivo Advogados pela Democracia, que reúne juristas, professores e estudantes do Paraná em defesa da legalidade democrática no atual momento político do país.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Santos fala sobre o papel do Judiciário como articulador do golpe institucional em curso, da atuação dos grandes meios de comunicação na disputa do discurso sobre os acontecimentos e sobre a potencialidade da internet em construir novas narrativas para a esquerda.


Confira a entrevista:

Brasil de Fato: A leitura dos movimentos populares e de intelectuais progressistas é de que há um tripé que sustenta o golpe institucional contra a presidenta Dilma Rousseff, que envolve uma articulação de setores empresariais, parlamentares e do Judiciário, fomentada pelo apoio da grande mídia. Como o senhor enxerga essa leitura?

Laymert Garcia dos Santos: Eu acredito que a mídia seja muito importante nesse processo como caixa de ressonância de uma estratégia de desestabilização e de golpe. Mas, no meu entendimento, ela não é a cabeça. A cabeça dessa estratégia é o Judiciário, mas em articulação com o Legislativo e com a grande mídia. Então realmente existe este tripé. A questão é que precisamos colocar muito mais luz sobre o papel do Judiciário, incluindo o Supremo Tribunal Federal, porque se a gente só bate na Rede Globo e nos barões da mídia, e no Congresso, de certa maneira, a gente preserva um ator que foi fundamental nessa história para obter a inteligibilidade do golpe. Esse golpe é, antes de tudo, jurídico.

E que pontos podemos ressaltar nessa atuação do Judiciário?

A articulação se dá utilizando tecnologias jurídicas de um modo dentro da lei, mas ao arrepio da lei, com uma flexibilidade das regras do jogo. Utiliza-se a lei de forma paradoxal – ou para usar uma expressão que eu gosto mais –, de forma excepcional, porque isso implica justamente dizer que o Estado de Direito é suspenso. Então você tem a impressão de que está em um Estado de Direito, mas, na verdade, já está em um Estado de Exceção. E esse foi o papel que o Judiciário cumpriu, tanto o Ministério Público Federal, quanto a operação Lava Jato e o Supremo Tribunal Federal, no sentido de fazer uma apuração seletiva da corrupção e de conseguir, através dessa apuração, criminalizar a esquerda. É justamente aí que entram os meios de comunicação para ganhar a chamada opinião pública. Eles funcionam como uma caixa de ressonância para tornar credível e aceitável uma única versão das coisas. E esse é o jogo que eu vejo como mais importante. Insisto no papel do Judiciário, pois ele está sendo muito poupado nesse processo.

Toda ação coletiva precisa disputar a narrativa que vai dar sentido ou não a uma determinada luta, como no caso das manifestações de rua. Como a esquerda tem se saído nisso?

A esquerda tem tentado disputar e tentado construir outra narrativa além da dominante. Em certo sentido, eu diria que, do ponto de vista das ruas, ela ganhou a batalha. Mas como ela não tem o aparato midiático a seu favor, o fato de ganhar a batalha das ruas não significa que ela ganha a guerra. Mas também há conquistas no discurso. Por exemplo, a palavra “golpe” pegou. No início do processo havia um conflito entre duas concepções, a de “golpe” e a de “impeachment”, e depois disso vimos que a narrativa do golpe foi criando raízes. Nas manifestações, começou a aparecer timidamente o “não vai ter golpe, vai ter luta”, e depois a ênfase maior foi dada ao “vai ter luta”. Então, nós percebemos que, apesar do aparato midiático, a esquerda conseguiu validar ou legitimar que o que está acontecendo é um golpe. A mobilização dos intelectuais e a construção – da qual participei também – de canais de esclarecimento à mídia internacional sobre o que estava acontecendo aqui também foi importante para que essa mídia internacional deixasse de comprar a versão de que se tratava de um impeachment constitucional.

A esquerda sempre se sentiu atacada pelo discurso da grande mídia. Mesmo assim, os governos do PT não levaram adiante a elaboração de um marco regulatório das comunicações no Brasil, nem quiseram rever as concessões públicas da Rede Globo, por exemplo. Como o senhor avalia essa atitude?

Nos anos 1980, quando eu era professor de jornalismo, tínhamos um curso sobre crítica da mídia. Já naquele tempo percebíamos que o PT não queria fazer a crítica da mídia. O PT tinha e mantém uma atitude ambivalente com a grande mídia. De um lado, eles querem ser reconhecidos pela mídia, então quando a mídia acena para eles, eles se derretem. E por outro lado, eles criticam a mídia, mas achando que, se a mídia topar fazer uma “troca de sinais”, não será necessário mexer nesse aparato. E eu penso que um dos pecados capitais dos governos populares foi justamente não ter atacado isso de frente, levando a regulação da mídia como uma questão chave. Então estão pagando um preço muito pesado agora. E não sei se já aprenderam.

Em 2013, houve uma mudança no cenário com as manifestações de junho que passa por uma articulação entre as redes e as ruas, surgindo uma novidade para vários espaços tanto da direita como da esquerda. Essa novidade, essa forma de fazer política, essa relação de massa com a tecnologia, foi apreendida pela esquerda?

Acredito que sim, de forma diferente de como foi apreendida pela direita. E também acho que de uma maneira mais inteligente. A direita tem a possibilidade – porque tem dinheiro – de lançar trolls [método para desestabilizar a discussão e as pessoas envolvidas] em massa, de utilizar dispositivos na internet de difusão de calúnia, de desinformação, etc. Mas ela não tem inventividade de usar a potência dos meios, e a capacidade caritativa, pois tem um discurso muito fechado, monolítico e de pura violência. Ela funciona na base da intimidação e da mentira. Se pegarmos a desconstrução do discurso da direita pela esquerda na internet, perceberemos que é muito mais inteligente o uso da potência dos meios pela esquerda do que pela direita, o que me faz ter mais raiva ainda dos governos populares e do PT por não ter sabido avançar na questão das mídias.

O senhor se negou a escrever um artigo para o jornal O Estado de S.Paulo nas vésperas da votação do impeachment na Câmara dos Deputados. Por quê? Disputar um espaço para uma opinião contrária à linha editorial de um grande veículo não é uma forma interessante de ganhar visibilidade?

Eu acho que essa atitude é necessária. Os grandes jornais sempre contaram com uma espécie de compreensão e leniência dos intelectuais que, de um lado, queriam aparecer na mídia e, de outro, se prestavam ao papel de fazer o pequeno contraponto. Jornais como o Estado de S. Paulo e a Folha de S.Paulo são 95% golpistas e ouvem 5% do outro lado, e você se presta ao álibi dele. Muito antes de começar essa história do golpe eu já não escrevia mais para a chamada grande imprensa e muitas vezes recusei entrevistas de televisão. Depois da questão do golpe, acredito que aceitar as condições deles é absolutamente impossível.

Temos saída para a construção de um discurso alternativo pela Internet?

A internet abriu uma possibilidade para nós de construir um discurso que vai bater de frente com o discurso da grande mídia. Mais do que brigar com eles, é importante brigar pela democratização radical da banda larga, pela alfabetização informacional da população inteira, porque aí é possível construir canais para que a própria população construa sua informação e encontre a informação a partir do lugar onde estão. Se acontecer isso, vai ser inevitável as pessoas se desconectarem da Globo, pois verão que ela [emissora] está sendo sacana com elas.

* Anderson Marcos dos Santos é Doutor em sociologia pela Unicamp, mestre em direito pela UFPR e professor de direito da Universidade Positivo.

Entrevista publicada originalmente no site Brasil de Fato

GASPARI APONTA: DILMA É VÍTIMA DE UM GOLPE


O jornalista Elio Gaspari, colunista dos jornais Globo e Folha, finalmente admitiu que a presidente Dilma Rousseff está sendo afastada por meio de um golpe parlamentar, na coluna Há golpe, publicada hoje nos jornais Globo e Folha.

Gaspari se referiu às declarações da senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), líder do governo interino que confessou que as "pedaladas" eram mero pretexto para o impeachment, e à tentativa da comissão do impeachment de impedir a perícia do Senado, que apontou a inocência de Dilma (leia aqui).

"Na minha tese, não teve esse negócio de pedalada, nada disso. O que teve foi um país paralisado, sem direção e sem base nenhuma para administrar", disse Rose de Freitas.

"Paralisia, falta de rumo e incapacidade administrativa podem ser motivos para se desejar a deposição de um governo e milhões de pessoas foram para a rua pedindo isso, mas são insuficientes para instruir um processo de impedimento. Como diria o presidente Temer: não 'está no livrinho'", emendou Gaspari.

O colunista afirmou, ainda, que os parlamentares mal se preocupam em manter as aparências. "Se uma coisa tem o nome de julgamento, ela precisa guardar alguma semelhança com um julgamento, mesmo que a decisão venha a ser política", afirma. "Dilma Rousseff é ré num processo que respeita regras legais, mas se a convicção prévia dos senadores já está definida na 'tese' da líder do governo, o que rola em Brasília não é um julgamento."

"Pelas características que adquiriu, o julgamento de Dilma Rousseff vai noutra direção. Não é um golpe à luz da lei, mas nele há um golpe no sentido vocabular. O verbete de golpe no dicionário Houaiss tem dezenas de definições, inclusive esta: 'ato pelo qual a pessoa, utilizando-se de práticas ardilosas, obtém proveitos indevidos, estratagema, ardil, trama'", escreveu ainda o jornalista.

Brasil 247

Unasul está 'transformando a América Latina em um grande país'


O projeto de uma cidadania comum para todos os nacionais dos países da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) está dando seus primeiros passos, disse nesta terça-feira no seu perfil do Twitter, o secretário-geral da organização, Ernesto Samper.

"Hoje, o projeto de cidadania sul-americana, que vai unir 400 milhões de sul-americanos, dá seus primeiros passos na Unasul", disse Samper.

O projeto pressupõe um passaporte sul-americano e a abolição de todas as barreiras para o livre trânsito de pessoas, à semelhança do Mercado Comum do Sul (Mercosul), que permite circular com o documento de identidade de cada país e facilita uma permissão de trabalho por dois anos.

O titular da Unasul informou em fevereiro deste ano que o que se busca é que todos os cidadãos da região sintam que a América do Sul é um só país e que "qualquer sul-americano possa trabalhar em qualquer lugar da América do Sul".

A proposta será apresentada na próxima reunião de cúpula da Unasul, que será realizada no Uruguai, neste ano, informou a agência oficial equatoriana Andes.
Outros pontos da proposta que está sendo discutida pelo Grupo de Trabalho de Cidadania da Unasul se referem aos direitos de eleger e ser eleito, de trabalhar e estudar, pelo que está sendo estudado um sistema de acreditação e homologação regional de títulos.

A iniciativa também prevê uma estratégia que permita a cerca de 5.000 sul-americanos detidos em prisões da Ásia, entre eles condenados à morte e a prisão perpétua, sejam julgados segundo as normas e penas que se aplicam na América do Sul, sublinhou a Andes.

Sputniknews

Adeus Europa sem fronteiras!


Iniciativa sem precedentes na Europa foi anunciada na véspera pela líder da oposição francesa. O motivo para tal passo inédito é segurança nacional do país.

Marine Le Pen, líder do partido Frente Nacional (FN) francês, exigiu abandonar a Zona Schengen para garantir a segurança nacional da França.

"Exigimos abandonar imediatamente a [Zona] Schengen com vistas a garantir a segurança do nosso país", disse a líder da oposição francesa à emissora de rádio LCI.

Anteriormente Le Pen, que ainda exerce o mandato de deputada do parlamento europeu, afirmou que a França pode ter até mais razões para abandonar a UE do que o Reino Unido, pedindo a realização de um referendo igual ao britânico sobre a permanência do país na União Europeia. Entretanto, o presidente francês François Hollande pronunciou-se contra esta iniciativa.


Reino Unido deixa a União Europeia

Em 23 de junho de 2016, os cidadãos do Reino Unido votaram sobre a permanência ou a saída do país da União Europeia. Na madrugada do dia seguinte, o Brexit foi confirmado. Isto se tornou algo inédito na UE, que até agora falava de um maior alargamento. No sábado o presidente da França vai reunir-se com os líderes de todos os partidos do país com vistas a discutir as consequências do plebiscito britânico.

Sputniknews

Rusia insta a EEUU y UE a levantar sanciones a Siria por efectos “graves” en situación humanitaria


Integrantes del Centro ruso para la Reconciliación distribuyen ayuda humanitaria entre los ciudadanos sirios en la ciudad de Latakia (noroeste).

Rusia insta a EE.UU. y la UE a levantar las sanciones contra Siria por los efectos graves que esas tendrán en la situación humanitaria de muchos civiles.

“De acuerdo con los estudios de la Comisión Económica y Social para Asia Occidental de la Organización de las Naciones Unidas (ONU), las sanciones de EE.UU. y la Unión Europea (UE) han estado causando fuertes efectos desfavorables en la situación humanitaria en Siria desde mediados de 2012", aseguró el martes la portavoz del Ministerio de Exteriores ruso, María Zajarova.

En este mismo sentido afirmó que tales restricciones han limitado la restauración de las infraestructuras, paralizado la industria farmacéutica y ha sido uno de los principales factores para la inflación en el país árabe.

En otra parte de sus declaraciones recogidas por la agencia siria de noticias SANA durante su rueda de prensa semanal, la funcionaria rusa, además, denunció los crímenes perpetrados por los grupos terroristas EIIL (Daesh en árabe) y el Frente Al-Nusra contra el pueblo sirio.

Asimismo acusó a dichas bandas takfiríes de violar los derechos humanos del pueblo sirio por haber llevado a cabo ataques con sustancias tóxicas en su contra, lo cual ha provocado recurrentemente la preocupación de la Organización para la Prohibición de las Armas Químicas (OPAQ) y que se ha saldado con la muerte de 1491 personas desde el estallido del conflicto en Siria en 2011, según un informe de la Sociedad Médica Sirio-Americana.

Las sanciones estadounidenses previamante promulgadas en 2011 y prorrogadas en diversas ocasiones –la última el pasado mes de mayo por el presidente Brack Obama– buscan obligar al presidente sirio, Bashar al-Asad, a renunciar a su cargo mientras continúan los apoyos financieros, logísticos y armamentísticos a los grupos armados que no han conseguido derrocar al Gobierno.

Además han tenido como motivo contrarrestar supuestas violaciones de los derechos humanos y supuestos intentos por parte de Damasco de hacerse con armas químicas y biológicas, alegaciones que el Gobierno de Damasco rechaza rotundamente.

tqi/ktg/hnb/HispanTv

Daesh pone nombres de 12.000 canadienses en su nueva "lista de muerte"


Los piratas cibernéticos afiliados a Daesh han vuelto a poner los nombres de ciudadanos canadienses en su ‘lista de la muerte’ esta vez de unas 12.000 personas.

El Califato Cibernético Unido (United Cyber Caliphate) un grupo de hackers vinculado a la banda terrorista EIIL (Daesh, en árabe) ha publicado una nueva “lista de la muerte” que incluye los nombres y las informaciones personales de dicha cifra de canadienses.

La banda takfirí, de igual manera, ha informado de haber entrenado a varios “lobos solitarios” para matar al referido grupo de ciudadanos que “cuya muerte inmediata es deseada por Daesh”.


A mediados del mes en curso, la cadena canadiense CBC News anunció haber obtenido la copia de una “lista de la muerte” de EIIL que contenía los nombres y correos electrónicos de unas 8300 personas en todo el mundo entre ellos, 151 canadienses.

De acuerdo con la fuente, la mayoría de los canadienses –a los que los terroristas de EIIL “han declarado querer muertos” y cuyos emails fueron hackeados – eran mujeres residentes en las ciudades pequeñas aunque también se veía nombres de personas que vivían en ciudades grandes.

Hasta el momento, los investigadores del caso han fracasado en su intento de determinar rasgos comunes que puedan unir a todas las eventuales víctimas en un grupo específico. Sin embargo lo que han dejado en claro es que “ciertamente estos no parecen ser gente apuntada por quien son o lo que han dicho o hecho”.

Es de mencionar que otra lista de EIIL –de las nueve de este tipo en los últimos cuatro meses– publicado posteriormente, también incluye además de 3383 estadounidenses y otras personas de todo el mundo, los nombres de 312 ciudadanos de Canadá, país que antes de decidir en febrero retirar sus cazas de Siria, era miembro de la denominada coalición anti-EIIL (liderada por EE.UU.).

tqi/ktg/hnb/HispanTv

Fuerzas de Irak avanzan hacia recuperación de Mosul de de manos de Daesh


Fuerzas iraquíes lograron nuevos avances frente al grupo terrorista EIIL, al recuperar zonas cercanas a Mosul, principal bastión takfirí en el norte de Irak.

Según han informado este miércoles los medios locales, el Ejército iraquí liberó la región de Al-Sharqat, ubicada en la provincia noroccidental de Nínive, y uno de los principales accesos a Mosul, situado a 400 kilómetros de la ciudad capitalina de Bagdad.

Además, las fuerzas antiterroristas de élite del Ejército iraquí y las Unidades de Movilización Popular (PMU, por sus siglas en inglés) de Irak volvieron a tomar el control del área Telol al-Baj, situado en la carretera que une la ciudad de Al-Sharqat y la parte sureña de Mosul, afirmó el martes la prensa Al-Forat.

"El personal de seguridad ha liberado Telol al-Baj, y varias unidades se han desplegado a cuatro kilómetros de la zona para evitar la infiltración de los vehículos cargados de explosivos en la región", explicó el teniente general Abdul Ghani al-Assadi, comandante de las fuerzas antiterroristas iraquíes.

De igual modo, detalló que las fuerzas armadas de Irak habían causado grandes pérdidas en las filas de los extremistas en Telol al-Baj.

En los últimos días, las mencionadas localidades han sido escenarios de varios actos de violencia de la banda terrorista Daesh contra los civiles, lo cual provocó el escape y desplazamiento de cientos de familias iraquíes.

Por lo tanto, las fuerzas de Irak han iniciado operaciones para recuperar Mosul, que cayó en junio de 2014 bajo el control de los takfiríes. El pasado domingo, el primer ministro de este país árabe, Haidar al-Abadi, prometió que los iraquíes izarán "pronto" la bandera nacional en Mosul, tal y como lo hicieron en Faluya, cita en la provincia occidental de Al-Anbar.

bhr/ktg/hnb/HispanTv

Todo sobre el ataque suicida en el mayor aeropuerto de Turquía



Dos explosiones han sacudido el principal aeropuerto turco cobrándose la vida de al menos 36 personas. Dos terroristas se inmolaron antes de pasar por el control de seguridad de las instalaciones.

Balance del ataque

Víctimas: 43 muertos y al menos 147 heridos, algunos de ellos se encuentran en estado crítico. El primer ministro turco, Binali Yildirim, precisó que entre los heridos figuran varios extranjeros.

Las misiones diplomáticas de Rusia y de Ucrania han confirmado que un ruso y un ucraniano resultaron heridos, mientras que una mujer ucraniana perdió su vida en el ataque;
Un iraní también murió en el atentado suicida de Estambul, informa Reuters citando a las autoridades turcas;
La embajada de Arabia Saudita ha informado que siete de sus ciudadanos resultaron heridos en el atentado, según AP.

Agresores:
Dos personas se inmolaron;
El tercer atacante fue abatido antes de activar un artefacto explosivo;
Las autoridades turcas apuntan al Estado Islámico como responsable del atentado.

Relato de los hechos

Este martes justo después de las 22.00 horas (hora local) dos fuertes explosiones sacudieron una terminal del aeropuerto internacional Ataturk de Estambul, el principal aeropuerto de Turquía. Las explosiones fueron acompañadas de tiroteos.

Poco después las autoridades turcas informaron que el ataque causó "numerosos heridos", sin especificar el número.

En las redes sociales aparecieron fotos y videos donde se puede apreciar gente huyendo del aeropuerto y los daños provocados por las explosiones.

Más tarde, las autoridades confirmaron a los medios que se trata de un atentado suicida. Hubo tres terroristas suicidas y dos de ellos se inmolaron antes de pasar por el control de seguridad de las instalaciones.

Según varias informaciones, dos terroristas lanzaron cuatro granadas en la zona de control y luego comenzaron a disparar contra la policía. De acuerdo con un oficial turco, uno de los atacantes de Estambul abrió fuego con un Kaláshnikov y luego se inmoló. Asimismo, testigos afirman haber visto a 4 personas armadas que se escapaban del aeropuerto tras el ataque.

En la Red apareció más tarde un video que muestra cómo uno de los tres atacantes es abatido antes de activar un artefacto explosivo.

Por el momento, se informa de 43 muertos y al menos 147 heridos tras las explosiones. La gran mayoría de las víctimas son ciudadanos turcos, pero figuran también algunos extranjeros.

Datos preliminares sugieren que el Estado Islámico está detrás de los atentados suicidas, informa la agencia de noticias turca Dogan, que cita a fuentes policiales. Asimismo el primer ministro turco Binali Yildirim ha afirmado que los ejecutores del ataque terrorista en el aeropuerto podrían ser miembros de esta organización terrorista.

El presidente Recep Tayyip Erdogan mantuvo una reunión con el primer ministro y el jefe de las Fuerzas Armadas en el palacio presidencial después de los atentados, informa Reuters.

"Espero que el ataque en el aeropuerto Ataturk, especialmente en los países occidentales [y] en todo el mundo, sea un hecho crucial para la lucha conjunta contra las organizaciones terroristas, un punto de inflexión", afirmó el presidente turco tras los atentados.

Erdogan subrayó que los ataques "tuvieron lugar durante el mes sagrado del Ramadán, lo que muestra que el terrorismo ataca sin consideraciones sobre la fe y los valores". También expresó sus condolencias a las familias de los ciudadanos que perdieron sus vidas y a toda la nación.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Nova reviravolta no Senado: Temer perde votos pelo impeachment


Com dizem alguns jornalistas, "política no Brasil não é para amadores". E a frase cai como uma luva para o atual momento político que vive o país, com surpresas e reviravoltas quase que diárias.

Reportagem do Estadão, revela que o Palácio do Planalto tem apenas 38 votos pela cassação da presidente Dilma Rousseff. Para aprovar o impeachment, no entanto, são necessários 54 votos.

“Pela estimativa do Planalto, a cassação de Dilma está nas mãos de 15 senadores. Hoje, 38 se posicionam a favor do impedimento – são necessários 54. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, se recusa a revelar a ‘estratégia’ para evitar a volta da petista”, diz um trecho da matéria assinada pelos jornalistas Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho.

A matéria denuncia o balcão de negócios que virou o Planalto, que tenta comprar votos entre os senadores "indecisos". Um deles, denunciado por várias falcatruas, teria até exigido a presidência da Itaipu para votar pelo impeachment. E quanto mais o tempo passa, mais aumenta o preço do voto de alguns senadores "indecisos".

Em breve poderemos ouvir “adeus, querido” para o presidente interino Michel Temer (PMDB).

A dificuldade para aprovar o afastamento definitivo de Dilma ganhou novos ingredientes: 1- a perícia do Senado atesta que não houve pedalada fiscal; e 2- a presidente eleita convocará plebiscito para encurtar o próprio mandato e antecipar a eleição; 3 - o preço pelo voto está assumindo valores estratosféricos, e aqueles que se sentiram comprados por trinta moedas começam a se arrepender, exigindo mais e mais a cada dia.

A "novela" do impeachment promete novos episódios para breve. É preciso ter nervos de aço para aguentar os próximos capítulos.

Dilma: 'Eles não me tiraram, não. Eu continuo sendo presidenta'


Dilma Rousseff falou à Pública sobre machismo, impeachment, América Latina, PSDB, governo Temer e polêmicas - de aborto a Lava Jato.

Andrea Dip, Marina Amaral, Natalia Viana, Vera Durão, da Agência Pública

Uma van nos conduz do portão ao imponente Palácio da Alvorada, fincado no cerrado de Brasília. Subimos alguns lances de escada, entramos em uma sala de enorme pé-direito, colorida por uma tapeçaria do chileno Kennedy Bahia, ao lado do quadro “Colhendo Café”, de Djanira, sobre a parede de madeira. É ali, no ambiente mais acolhedor da sala, em um sofá branco ladeado de poltronas, que a presidente, afastada do cargo em 12 de maio passado até que o processo de impeachment seja julgado pelo Senado, tem dado entrevistas, a maioria delas para a imprensa internacional. A entrevista para a Agência Pública é a primeira concedida a um grupo de jornalistas mulheres.
Ela chega com meia hora de atraso, sorridente para além do protocolo. Dilma Rousseff e Vera Saavedra Durão – jornalista econômica tarimbada que compõe a equipe de entrevistadoras da Pública – se conhecem há exatos 50 anos, como constata a presidente, depois de checar com a amiga a data em que se conheceram: 1966. As duas mineiras já eram militantes de esquerda antes mesmo de se unirem à VAR-Palmares, a organização fundada em 1969 para travar a luta armada contra a ditadura militar (1964-1985).
Mas a conversa agora é sobre os netos da presidente, Gabriel e Guilherme. “Neto ainda é melhor, tem mais calma pra olhar que filho. E nunca falaram pra gente que era importante ter filho, né, Vera?” Ambas riem, lembrando-se do tempo em que a revolução vinha em primeiro lugar. “Eu lembro você de vestidinho rosa esperando a Paula”, diz Vera, referindo-se ao primeiro encontro das duas mulheres depois da prisão.

Uma van nos conduz do portão ao imponente Palácio da Alvorada, fincado no cerrado de Brasília. Subimos alguns lances de escada, entramos em uma sala de enorme pé-direito, colorida por uma tapeçaria do chileno Kennedy Bahia, ao lado do quadro “Colhendo Café”, de Djanira, sobre a parede de madeira. É ali, no ambiente mais acolhedor da sala, em um sofá branco ladeado de poltronas, que a presidente, afastada do cargo em 12 de maio passado até que o processo de impeachment seja julgado pelo Senado, tem dado entrevistas, a maioria delas para a imprensa internacional. A entrevista para a Agência Pública é a primeira concedida a um grupo de jornalistas mulheres.
Ela chega com meia hora de atraso, sorridente para além do protocolo. Dilma Rousseff e Vera Saavedra Durão – jornalista econômica tarimbada que compõe a equipe de entrevistadoras da Pública – se conhecem há exatos 50 anos, como constata a presidente, depois de checar com a amiga a data em que se conheceram: 1966. As duas mineiras já eram militantes de esquerda antes mesmo de se unirem à VAR-Palmares, a organização fundada em 1969 para travar a luta armada contra a ditadura militar (1964-1985).
Mas a conversa agora é sobre os netos da presidente, Gabriel e Guilherme. “Neto ainda é melhor, tem mais calma pra olhar que filho. E nunca falaram pra gente que era importante ter filho, né, Vera?” Ambas riem, lembrando-se do tempo em que a revolução vinha em primeiro lugar. “Eu lembro você de vestidinho rosa esperando a Paula”, diz Vera, referindo-se ao primeiro encontro das duas mulheres depois da prisão.


(Foto: José Cícero da Silva/Agência Pública)

Elas foram companheiras de cela no final dos quase três anos que a presidente passou na cadeia, depois de apanhada pela Oban – Operação Bandeirante –, a unidade de tortura e aniquilação de presos políticos do II Exército, em São Paulo. Nenhuma das duas jamais imaginou naquele tempo que uma delas seria presidente nem que se veriam mais uma vez em um momento dramático para o país, com Dilma no centro da crise.

A votação do impeachment pelo Senado, com tendência desfavorável à presidente, deve ocorrer em agosto próximo.
Dilma ainda não decidiu se vai se defender pessoalmente diante dos senadores. “Sou do tipo de gente que avalia”, disse no final de uma entrevista franca e explosiva, com 1 hora e 52 minutos de duração. Ela garante que vai continuar lutando pela Presidência do Brasil, conquistada pela primeira vez por uma mulher: “Eles ainda não me tiraram não, eu continuo sendo presidenta”, avisa.
O que significa sair do isolamento imposto pela equipe do atual presidente interino e seu vice, Michel Temer, que chegou a cortar o “cartão-alimentação” usado para suprir o Palácio da Alvorada e negou o custeio de viagens para outros destinos além de Porto Alegre, onde mora sua filha, e Belo Horizonte, sua terra natal.
Nos próximos dias, Dilma lança um crowdfunding – a vaquinha virtual – pelo site Catarse, popular entre músicos, cineastas, jornalistas e ONGs que buscam arrecadar dinheiro para seus projetos. Dessa maneira a presidente e sua equipe pretendem mobilizar seus apoiadores e pagar os custos das viagens para cruzar o país em defesa de sua permanência no governo.
Nesta entrevista exclusiva para a Pública, ela refaz sua trajetória, explica por que se considera vítima de um golpe, fala o que pensa das forças políticas do país e do que esse “golpe parlamentar”, nas palavras dela, representa para a democracia da América Latina. Responde também a perguntas sobre questões polêmicas como aborto, hidrelétrica de Belo Monte e recentes acontecimentos da Lava Jato.

Vera Durão: Queria saber de você como a ideia de se tornar presidente da República tomou corpo na sua cabeça. Foi uma sugestão do Lula ou você também tinha essa pretensão?
Dilma Rousseff: Ô Vera, é assim quase público e notório que eu não tinha a menor pretensão de ser presidenta, tampouco de concorrer a nenhum cargo eletivo naquele então. Foi assim uma coisa “espontânea muito pressionada” – conhece “espontânea muito pressionada”? [risos] Foi isso o que aconteceu.

Vera Durão: Você se sentiu na obrigação de aceitar?
Dilma: Acho que não aceitar é correr da raia, é coisa muito importante para se recusar. E, tendo feito tudo o que fiz no governo dele, era não dar sequência ao que a gente vinha fazendo. Porque, na prática, quando assumi a chefia da Casa Civil, em 2005, eu coordenei o governo. De junho de 2005 em diante. Então, todos esses programas eu vi nascer, participei da formatação, tanto os que ocorreram no governo dele como as decorrências de todo esse processo no meu governo. É uma continuidade.

Vera Durão: Esse argumento foi usado pelo Lula para te convencer?
Dilma: Não. Ele tinha isso muito forte, ele propunha isso. Mas não se trata de achar que era só uma questão de alguém pegar um bom argumento para me convencer. Não era essa questão. Não pode ser. Se fosse isso, seria algo muito superficial. É ter um conjunto de razões, sendo que essa é uma delas – e essa é importante. Porque ser o primeiro governo de uma mulher no Brasil, um país que diz que não tem nenhum preconceito contra a mulher, mas está eivado de preconceitos, era algo muito importante. Obviamente, guardando as devidas proporções, porque acho que o preconceito contra a mulher é completamente diferente do preconceito contra os trabalhadores, as pessoas de segmentos sociais mais pobres. Contra a mulher é outro preconceito porque passa por uma porção de estereótipos que se tem sobre a mulher. Por exemplo: mulher não pode ser firme, tem que ser dura. Mulher tem que ser ríspida, não pode ser uma pessoa que tem posição. Mulher não é afeita a coisas públicas – e aí aquela frase reiterada sobre mim, da minha “imensa dificuldade de lidar com os políticos”, como se [eles] fossem a coisa pública, ou como se alguma dificuldade de se lidar com os políticos não derive, em alguns momentos, da crise de valores que a política no Brasil atravessa. E outras coisas que tais: mulher tem necessariamente de ser frágil. Se ela não for frágil, ou ela está tendo um ataque de loucura, não está no pleno exercício da sua condição racional, ou você, de uma certa forma, está alienada. Eu cheguei a dizer que eu era uma mulher dura no meio de homens meigos, imensamente meigos, tudo muito meigo, muito doce.

Natalia Viana: Presidente, e em termos dos interesses econômicos? Por exemplo, qual foi o peso do pré-sal na articulação pelo seu impeachment?
Dilma: Olha, eu acho que todas as riquezas do Brasil têm peso. O pré-sal tem um peso muito especial. O que está na questão do pré-sal? Não é a participação do setor privado. Por quê? Porque ele participa do pré-sal. Vamos olhar o leilão de Libra, que é o único campo do pré-sal integral, não tem nenhum outro. Então vamos olhar a prova material. Quem é que participa de Libra? Participam de Libra quatro empresas privadas: Shell, que é uma grande empresa; Total, que é uma empresa francesa grande – não é uma major, mas é uma quase major –; duas chinesas, a CNOOC e a CNPC. É bom lembrar que os maiores compradores de petróleo do mundo são os chineses. O controle da distribuição do petróleo está na mão dos chineses. Daí porque qualquer grande empresa privada internacional gosta da parceria com os chineses. Para a gente não ser otário e ficar achando que a presença de chinês é algo terrível, como diziam umas pessoas do Rio de Janeiro.

Natalia Viana: Presidente, ontem foi preso, em um desdobramento da Lava Jato, o Paulo Bernardo, que foi ministro no seu governo, acusado de um superfaturamento de 100 milhões pela empresa de tecnologia que geria sistema de crédito consignado a funcionários. Diz a PF que o dinheiro seria usado para caixa 2 do PT. Por outro lado, o Marcelo Odebrecht assinalou que…
Dilma: Querida, posso te falar uma coisa? Eu não sei no que vai dar. E nem o que está em processo na prisão do Paulo Bernardo. Então, você vai me desculpar, mas você não vai querer que eu faça uma avaliação sobre coisas que estão sob investigação da Justiça. Agora, acho estarrecedor me perguntar sobre o Marcelo Odebrecht, que nem concluiu a sua delação premiada. Tirante a hipótese de que o seu jornal – e aqui eu vou engrossar – tenha uma escuta dentro da cela, ou do lugar onde ele está fazendo a delação, vocês não têm o direito de me perguntar nada.

Natalia Viana: Na verdade, a pergunta não era em relação a isso.
Dilma: Eu tenho imensa indignação com esse tipo de uso político das investigações da Lava Jato. Uso político.

Natalia Viana: A pergunta era se a senhora acredita que essas revelações afetam suas chances no impeachment.
Dilma: Não, minha querida. Eu acho que eu estou em um nível de vacinação absoluta contra isso. Isso tem sido feito sistematicamente contra mim. Sistematicamente. A última que arquivaram foi aquela em que quase caiu o mundo na minha cabeça porque eu liguei para o Lula e falei: “Vou mandar aí o Bessias”. Agora foi arquivado. Agora, o pato que eu pago enquanto não está arquivado é imenso. E eu me recuso a discutir Marcelo Odebrecht numa delação que nem acabou. Tem vazamento daquilo que não foi feito, tem vazamento… e tudo seletivo. Primeiro vaza eu e fazem um escândalo com isso. E depois aparece o resto. Como que fica? Não sei o que que é o Paulo Bernardo, tem um ano essa investigação, não sei por que prenderam hoje, não tenho a menor ideia… Ele estava fugindo? Preventiva tem de ter motivo. Eu me recuso a dar elementos para um tipo de praxe que a imprensa brasileira está tendo de uso seletivo. Porque a tese era a seguinte: tinha um único partido no Brasil que tinha corrupção. O que se vê é que não é isso que está acontecendo.
Vera Durão: Sérgio Machado disse que é desde 1946.
Dilma: É. O Sérgio Machado deve ser um experiente conhecedor disso. Bom, o que estou dizendo é que não vou compactuar com isso. E comigo é sistemático. Até o ponto do meu cabelo. Eu perdi a paciência no dia do meu cabelo [Merval Pereira, do Jornal O Globo, veiculou em sua coluna que Dilma teria usado dinheiro da refinaria de Pasadena para pagar itens pessoais. Saiba mais].

Vera Durão: Você já tomou as devidas providências?
Dilma: Todas. Eu vou processar criminalmente. O dia em que eu processar vai sair na imprensa. Mas eu vou.
Marina Amaral: Tenho uma pergunta sobre outra polêmica, que é Belo Monte. Eu conheço a defesa que a senhora faz da obra, da necessidade, inclusive, energética do Brasil. Eu queria saber se essa visão de desenvolvimento na Amazônia não foi modificada pelas conferências internacionais, por um mundo em que você tem como maior ameaça futura o aquecimento global. Esse tipo de debate não tornou ultrapassado, olhar pra a Amazônia como uma fronteira de desenvolvimento?
Dilma: Nós não olhamos para a Amazônia como uma fronteira de desenvolvimento. Nós utilizamos os recursos que podem ser utilizados mantendo a preservação do meio ambiente.
Marina Amaral: Mas em Belo Monte…
Dilma: Nós preservamos o meio ambiente. O problema da Amazônia, de Belo Monte, não é esse. O problema de Belo Monte é o seguinte: tem um problema seríssimo no clima. Sabe qual é? O problema no clima será sempre energia. O problema do mundo, em relação ao clima, é energia. No nosso caso, nós temos algumas vantagens. Porque nós ainda temos o problema de acabar com o desmatamento, como replantar, como conter e fazer agricultura de baixo carbono e etc. E [a energia hidrelétrica] dá uma grande margem para o Brasil. Somado ao fato de que nós temos recursos hídricos. O que é que entrava todos os países do mundo? Eles não têm. Ou usa nuclear ou usa térmica. Então acho que há uma visão completamente incorreta sobre as hidrelétricas.
Uma coisa é o fato de que se fazia hidrelétrica e não se olhava as repercussões sobre as populações atingidas. Isso é uma coisa. Não se olhava a melhor forma de se fazer com o mínimo de impacto ambiental. Porque, se você não tiver Belo Monte, tem de ter o equivalente de Belo Monte de alguma coisa. De [energia] solar não é, porque é absurdo o preço. A não ser que descubram alguma tecnologia mais avançada, você não paga. Eólica é inviável, você não segura, não tem como. Ela não é uma energia que eles chamam de firme.
Nós somos respeitados internacionalmente, ao contrário do que dizem. Essa Conferência de Paris [COP-21, realizada em dezembro de 2015] não existiria sem nós. Eles reconhecem. O Obama me liga para agradecer. Não sai no jornal, óbvio, nós sabemos por quê. Mas o Brasil tem respeito porque tem uma política que é consistente. Nós só temos 3% de térmica e nuclear. A alternativa é essa. Parou com hidrelétrica vai fazer nuclear.

Surpresa! Coreia do Norte tem armamento norte-americano


A Coreia do Norte teria começado a equipar seus navios com modernas metralhadoras norte-americanas, comunica a mídia da Coreia do Sul.

A mídia da Coreia do Sul comunicou nesta terça-feira (28) que o exército do Norte começou a instalar metralhadoras de tiro ininterrupto dos EUA em seus navios no Mar Amarelo.
"Verificamos que Coreia do Norte começou a substituir as armas obsoletas instaladas em seus navios da Guarda Costeira por armas automáticas do tipo Gatling", aponta uma fonte militar em Seul citada pela agência Yonhap.

De acordo com a fonte, se a frota da Coreia do Norte, que conta com 382 navios, for equipada com metralhadoras deste tipo isso irá "representar uma ameaça significativa para as forças da Coreia do Sul".

Os serviços de inteligência dos EUA e da Coreia do Sul estão determinando o possível canal de fornecimento destas armas a Pyongyang.

Analistas militares, entretanto, afirmam que Pyongyang adquiriu essas armas no mercado negro, copiou e aperfeiçoou, fazendo com que o risco para as tropas norte-americanas e sul-coreanas seja muito maior que o esperado.

O marechal Kim Jong Un tem afirmado que seu país está preparado para responder às agressões norte-americanas e sul-coreanas em todos os campos militares, inclusive na guerra nuclear, e as novas e avançadas metralhadoras instaladas em seus navios mostra que ele honra suas palavras.

Sputniknews com redação

EEUU lanza advertencia: Brexit es un tsunami que tocará América Latina


La secretaria de Estado adjunta de EE.UU. para Latinoamérica, Mari Carmen Aponte.

El tsunami de la salida del Reino Unido de la Unión Europea (UE) afectará también a América Latina, sostiene una funcionaria estadounidense.

La secretaria de Estado adjunta de EE.UU. para Latinoamérica, Mari Carmen Aponte, en su intervención en la Cámara Americana de Comercio (Amcham, por sus siglas en inglés), en Panamá, ha descrito este lunes la decisión de los británicos de "un hecho trascendental que crea olas".

“Definitivamente que va a tocar a Latinoamérica, porque es un tsunami”, ha aseverado, si bien confirma que de momento es pronto evaluar las consecuencias del fenómeno.


En este contexto, el diario argentino La Nación aseguró que el brexit tendría un gran efecto negativo en la economía de los países emergentes.

“Los mayores costos de este dramático vuelco recaen sobre los mercados periféricos, cuyas bolsas y riesgo se desploman ante la salida de capitales y la devaluación de sus monedas”, estimó el periodico y, para justificar su hipótesis, hizo referencia a la repercusión del aumento del precio del dólar y el oro en dichas economías, como consecuencia del brexit.

Apostilló que aquellos países latinoamericanos que tienen acuerdos de libre comercio con la Unión Europea, como Colombia, México, Perú y Chile, pueden sufrir más problemas.

El 23 de junio de 2016 el Reino Unido decidió abandonar el bloque regional, una idea que no es compartida por su primer ministro, David Cameron, quien ya anunció su dimisión tras el referéndum.

Una vez conocido el resultado de la consulta, el Gobierno de las Malvinas, unas islas disputadas por el Reino Unido y Argentina, expresó su preocupación por el impacto que pueda tener en su economía la salida del país europeo del bloque de los Veintiocho que se ha convertido en los Veintisiete.

msm/ncl/hnb/HispanTv

Conozcan al jefe turco de la fabricación de coches bomba de Daesh


Abu Sumeye al-Turki, jefe de la producción de vehículos kamikaze del EIIL (Daesh, en árabe).

Nuevas imágenes han sido publicadas que muestran a Abu Sumeye al-Turki, jefe de la fabricación de coches bomba del EIIL (Daesh, en árabe).

Las fotos difundidas en las redes sociales por activistas iraquíes, según ha informado este martes la página Web Terrormonitor en su cuenta de Twitter, muestran a Al-Turki, jefe de la fabricación de coches bomba de Daesh en el territorio iraquí.

A este cabecilla terrorista turco, que hasta recientemente no se sabía su identidad, se le atribuye el diseño de los coches bomba que los terroristas usan en sus ataques suicidas contra las fuerzas de seguridad tanto en Irak como en Siria.

Antes de Al-Turki no había muchos casos del uso de carros y camionetas blindados con acero para misiones suicidas, pero este líder terrorista, con su diseño y sus “innovaciones” en este tema, marcó un antes y un después en este ámbito.

En las fotos se puede ver a Al-Turki junto a varios suicidas y también junto con las camionetas y carros modificados para ser usados en ataques suicidas.

Además, otras imágenes muestran al mencionado alto mando terrorista en algunos de los talleres de construcción y modificación de vehículos para convertirlos en mortíferas bombas a cuatro ruedas que usan los terroristas para infligir masivos daños sobre sus enemigos y rivales.

Hasta el momento no se sabe de dónde han salido estas fotos o si es que el líder terrorista ha sido abatido y las fotos han sido extraídas de su teléfono móvil.

Seguido de la rápida expansión de EIIL en 2014, las fuerzas de seguridad de Irak y Siria llegaron a enfrentarse por primera vez a vehículos kamikaze que habían sido blindados por completo y que no podían ser destruidos salvo con armas antitanques y cañones de gran calibre.

La toma de Mosul (norte de Irak) también dejó en manos de Daesh unos 2300 vehículos Humvee que luego convirtieron en vehículos kamikaze que podrían transportar hasta 1000 kilos de explosivos sin afectar su rendimiento o velocidad.

hgn/rha/nal/HispanTv

Conozca las razones por las que el tiroteo de Orlando podría ser una operación de bandera falsa


Una de las calles adyacentes al club donde tuvo lugar el tiroteo en Orlando, Florida.

Un exoficial de la Agencia Central de Inteligencia de EE.UU. (CIA, en inglés) asegura que el tiroteo de Orlando era en realidad una operación de bandera falsa.

Robert David Steele, exoficial de la CIA, cree que el tiroteo de Orlando, en el estado de Florida, fue en realidad una operación de bandera falsa llevada a cabo por el régimen de Israel o la Administración del presidente estadounidense, Barack Obama.

Steele presenta su argumento en apoyo a esta teoría en 65 puntos y asegura que hay muchas incoherencias en la versión oficial de este tiroteo, el más sangriento de la historia de EE.UU., que ponen en duda su veracidad.

La madrugada del 12 de junio, un hombre identificado como Omar Mir Sediq Mateen, de 29 años y de origen afgano, abrió fuego en el club Pulse de Orlando; mató a 50 personas e hirió a otras 53.

Una de las cosas que menos tiene sentido, indica, es que no haya ni una imagen ni un vídeo dentro del club donde se llevó a cabo el tiroteo que muestre los cuerpos sin vida o los heridos del tiroteo, hecho por el que cree que hasta sería posible que nadie haya muerto durante el ataque.

También señala un vídeo del momento del tiroteo fuera del club en el que se oyen 24 disparos en 9 segundos, lo que es imposible dado que el rifle semiautomático AR-15 que tenía Omar Mateen, el atacante, es capaz de disparar 3 tiros en un segundo.

Técnicamente el rifle de Mateen era capaz de disparar 27 tiros en 9 segundos, pero para poder hacerlo Mateen debería haber tenido una puntería y habilidad de usar rifles semiautomáticos de clase mundial, que simplemente no tenia, y de este modo no sería capaz de matar a tantas personas.

Al mismo tiempo, recuerda, algunos de los testigos aseguran haber oído “fuego rápido”, algo que solamente podría haber ocurrido si Mateen tenía un rifle automático o si tenía cómplices a la hora de empezar los disparos.

Igualmente varios testigos indican que los atacantes eran 4 o 5 personas, lo que explicaría el fuego rápido, pero las autoridades y los medios de comunicación convencionales no han dado detalle alguno sobre estas alegaciones.

Sobre los probables motivos por las que el régimen de Israel llevó a cabo esta operación de bandera falsa, Steele presenta varias posibilidades, entre las que destaca que dicho régimen este tratando de mostrar al Islam como una religión violenta.

hgn/rha/nal/HispanTv

"Washington quiere ahora una guerra total en Siria"


Siria es "un pozo ciego de tratos encubiertos y agendas ocultas", asevera la escritora y analista política Catherine Shakdam.

"Washington quiere ahora una guerra total" en Siria, asevera la escritora y analista política Catherine Shakdam en su nuevo artículo para RT.

"Estados Unidos quiere ir a la guerra, ¡de nuevo! Yo que pensaba que Washington ya estaba en guerra con Damasco... ¿o era contraterrorismo?" destaca Shakdam, quien no está segura de que los norteamericanos "sepan la diferencia" entre la guerra contra el terrorismo y contra naciones soberanas.

Esta analista recuerda que, durante cinco años, EE.UU. ha trabajado para deponer al Gobierno de Bashar al Assad, Siria ha luchado para recuperar su soberanía territorial y política y los oficiales norteamericanos han reclamado más armas, más poder y "se han escondido más y más detrás del terror para justificar su postura".

En este sentido, hace hincapié en que, "curiosamente, cada vez que el terror era arrasado por las botas del Ejército sirio, más fuerte llamaba Washington a una guerra".

"Un hueso duro de roer"

Sin embargo, esta especialista se pregunta: "¿Por qué debería irse el presidente Assad? ¿Por qué las potencias occidentales están tan desesperadas por ver depuesto a un jefe de Estado democráticamente elegido, cuando la razón debería dictar que el terrorismo sigue siendo la prioridad absoluta?" y subraya que el Estado Islámico "ha perdido terreno bajo la presión del Ejército Árabe Sirio, apoyado por Rusia, Irán y Hezbolá".

En opinión de Shakdam, el argumento de que "el presidente Assad es un tirano" no se sostiene, debido a que "todavía posee una gran popularidad entre su pueblo", las potencias occidentales han apoyado y justificado "regímenes odiosos" en todo el mundo", "muchos de los aliados de EE.UU. han demostrado ignorar los derechos humanos "en serie" y "demasiadas armas de fabricación occidental" han servido para "disparar a civiles".

La autora del texto sostiene que, a pesar de todos los esfuerzos de estadounidenses por derrocar a su Gobierno legítimo, "Siria ha demostrado ser un hueso duro de roer"; tan duro que, incluso, ha dado lugar a "una fractura política" en Washington, según indica el reciente documento firmado por diplomáticos de su Departamento de Estado, que critica la política que ha desarrollado la Administración del presidente Barack Obama en Siria e insta a realizar bombardeos contra las fuerzas de Bashar al Assad.


"Neoconservadores frustrados y enojados han llamado a la confrontación militar directa contra Damasco, inconscientes de las repercusiones que tendría esa medida, no solo en la región, sino en todo el mundo", critica esta experta.

"Tratos encubiertos y agendas ocultas"

La analista cita al director del centro de estudios de Oriente Medio y Asia Central, Semión Bagdasárov, quien sostiene que la coalición proestadounidense Fuerzas Democráticas Sirias (SDF), compuesta en su mayoría por militantes kurdos, está llevando a cabo sus propios objetivos geoestratégicos en la región. Según este experto, su ofensiva en la estratégica ciudad de Manbij, que está en manos del Estado Islámico, "es parte de un plan destinado a la eventual división de Siria".

Shakdam se lamenta de que "Siria se ha convertido en un pozo ciego político de tratos encubiertos y agendas ocultas" y pronostica que, con el Estado Islámico derrotado, "las negociaciones de paz tomarían un tono muy diferente".

"Para entonces, finalmente el mundo se podría ver obligado a prestar atención a lo que desean los sirios. ¿Los recuerda? ¿Se ha molestado alguien en preguntarles cómo visualizan su futuro? ¿Qué tal si empezamos con esa pregunta y rergresamos a la sensatez?", concluye Catherine Shakdam.

Actualidad RT

domingo, 26 de junho de 2016

Brasil: O divórcio entre Congresso e povo


Por Roberto Amaral, no site Carta Maior:

A crise, a palavra da moda, na boca dos políticos e dos eleitores descontentes, na boca de empresários e trabalhadores (com significados diversos), tonitruada pelos meios de comunicação de massa, essa crise brasileira de nossos dias, é, fundamentalmente, política, e é ao mesmo tempo uma crise de representatividade e de legitimidade que ataca de morte os Poderes da República.

É preciso conjurá-la, antes que ponha por terra o projeto de democracia representativa, antes que ameace a integridade institucional de que sempre se aproveitam as forças conservadoras para impor o retrocesso político e o retrocesso social.

O processo de impeachment não é a crise, mas um sintoma dela, agravado pela crise das instituições da democracia representativa.

O sistema de partidos – rejeitado pelo eleitorado – está falido e nenhum remendo o salvará. Sua inanidade é estrutural, é orgânica, é morfológica, é ideológica. Faliu como meio e como fim. O processo eleitoral (fundado no poder econômico e no abuso do poder político) está, também e por consequência, falido e é um dos principais geradores da crise política, pois um de seus mais notáveis frutos é a desmoralização do mandato eletivo.

Dessa falência dupla resultam poderes em crise, dirigentes ilegítimos e mandatários sem legitimidade, donde, e por fim, a grave agonia da democracia representativa, atacada de vez pela violência do impeachment brandido contra a presidente Dilma Rousseff.

A tentativa de tomada de assalto de seu mandato é uma agressão à ordem constitucional (v.g. o art. 85 da C.F.) – mas é, acima de tudo, uma agressão à soberania popular.

As bases seminais da democracia liberal são os fundamentos constitucionais e a estrita legalidade, sem o que poderemos ter Estado de direito, mas, jamais, Estado de direito democrático, que é aquele que interessa às grandes massas.

O respeito à Constituição implica, necessariamente e incontornavelmente, o respeito à voz das urnas: o exercício da presidência é privativo de um delegado da soberania popular, escolhido pelo único instrumento conhecido pelas democracias: o voto. E é isto que está em jogo.

Os pressupostos de constitucionalidade e legalidade – respeito à soberania popular, império irrecorrível do voto – jamais foram considerados pela direita brasileira, useira e vezeira no emprego da violência golpista, enquanto a defesa da legalidade e da Constituição, como agora, é a bandeira da qual as esquerdas brasileiras não podem abrir mão.

O Poder Legislativo que temos – despido de legitimidade – é composto majoritariamente por parlamentares com os quais os eleitores não se identificam, e assim se acha atingido letalmente por aquela que é, certamente, a mais grave crise de representação em toda a história republicana.


Sem falar nas duas dezenas de senadores e nos quase duzentos deputados federais indiciados em inquéritos, ora no STF, ora na Lava Jato, ora aqui, ora acolá. Ademais é, o Parlamento que aí está, como coletivo, uma instituição reacionária, atrasada, descomprometida com o interesse nacional, quando deveria ser a expressão da vontade popular.

Comandada pelo chamado baixo clero e comandada pelo governo interino, está a Câmara dos Deputados empenhada em destruir o que foi possível construir nos últimos 12/13 anos, de Estado social e projeto de desenvolvimento autônomo. O profundo divórcio entre o Parlamento e a Nação, entre o eleitor e o eleito, é, sem dúvida, o sinal mais alarmante da crise da representação.

O divórcio entre Congresso e povo parece, em nossos dias, sem conciliação possível. E isto é péssimo augúrio.

Temos hoje um Poder Executivo infuncional, dominado por grupos de interesses que não dizem respeito aos grandes interesses do povo, da nação e do país. Presentemente, agravando sua crise ética, a Presidência foi tomada de assalto por uma súcia de tal padrão (a começar pelo presidente interino) que um jornal estrangeiro - o alemão Die Zeit - não pôde deixar de questionar, em manchete de primeira página: "Isso é um governo ou uma gangue?".

Como se habitassem outro planeta, ou um Olimpo cego para a história e a realidade, setores da alta burocracia estatal (como o Ministério Público e a Polícia Federal) constituem nichos de poder autônomos dentro do Estado.


Completa a tríade um Poder Judiciário a serviço da luta de classes, autoritário, intrinsecamente reacionário e prepotente, que se julga dispensado de dar satisfação a qualquer dos demais Poderes, e muito menos à sociedade, embora seja o único dos três poderes da República sem respaldo na soberania popular.

Um STF que se permite decidir contra a expressão clara e límpida da Constituição, que faz e refaz jurisprudência em função de interesses em causa e interfere mesmo no processo legiferante, instaurando a insegurança jurídica; uma Corte que se deixou partidarizar depois de politizar-se, e, em função de uma e outra opção, termina por renunciar à isenção, desnaturando-se.

Rompendo as fronteiras das competências dos demais poderes, arvora-se em verdadeiro Poder moderador, arcaísmo monárquico inaceitável na República.

Atuando e vivendo fora dos manuais da Constituição escritos para os alunos de nossas faculdades de direito, atuam, impávidos, inalcançáveis, de mãos dadas, o poder econômico-financeiro e o poder da mídia oligopolizada, senão o mais poderoso, por certo o mais nefasto dentre todos.

Os meios de comunicação de massa (que possuem prepostos em todas as esferas do poder político) não conhecem limites: manipulam a opinião pública, distorcem a vontade eleitoral, interferem no exercício do poder, ditam o processo político-ideológico, constroem artificialmente a narrativa histórica, e se constituem em verdadeiro partido político. O mais forte de todos.

Vivemos os estertores do ciclo (mais um dentre tantos na Historia e na República) que teve início com a Constituinte de 1988, a quem devemos quase 30 anos de normalidade democrática e avanços sociais que precisam ser conservados e aprofundados.

Esta é a tarefa histórica.

É verdade que a presidente Dilma Rousseff terá dificuldades para enfrentar desafio de tamanha monta – superar essa crise e plantar as bases de um novo Brasil – mas, por outro lado, não será um governo fruto do assalto ao mandato popular, e assim essencialmente e irrecuperavelmente ilegítimo, como o interino que aí está, que poderá cumprir com essa missão inadiável.

Legitimada pelos mais de 54 milhões de votos que a elegeram, a presidente Dilma poderá reconduzir a nação no caminho de um novo pacto político, de que carecemos para salvar a democracia representativa e retomar o desenvolvimento.

Esgotado um ciclo, o processo histórico engendra sua alternativa e deverão as forças populares disputar, nessa construção, seu papel de agente.

Fortalecida pelo apoio que vem colhendo nas ruas, fortalecida com a vitória no julgamento pelo Senado (na qual todos os democratas devem estar prioritariamente empenhados), desvendados (como já se vão desvendando) os reais propósitos da sanha peemedebista maquinada pelo vice perjuro, caberá à presidente da república discutir com a Nação os novos rumos do país que lhe incumbirá comandar imediatamente a partir da recuperação de seu mandato.

Mas a partir também da autocrítica indispensável, que a consagrará, sobre sua opção política em 2015, autocrítica que se completará com a esperada, e já quase tardia, autocrítica do Partido dos Trabalhadores, reclamada por sua militância mas sempre adiada por seus dirigentes.

(A propósito, por que a presidente reluta assinar a Carta-compromisso que a Frente Brasil Popular lhe sugeriu?)

Armada dessas iniciativas, a presidente falará às massas para ser ouvida e, sepultando o falecido ‘presidencialismo de coalizão’, construirá um novo pacto, político-popular. Ou, melhor dito, terá em suas mãos as condições políticas e morais, além da legitimidade, necessárias para reconduzir o Brasil na trilha de seu destino de grande nação, o que compreende a retomada do desenvolvimento, do fortalecimento do setor produtivo, do combate à pobreza e das políticas de distribuição de renda e compensação social e, afinal, a retomada do pleno emprego.

Soluções de curto prazo que se apresentam como fáceis e quase mágicas enfrentam irremovíveis obstáculos jurídicos e de ordem prática, pondo em dúvida sua eficácia como alternativa, contribuindo, assim, para desviar a luta popular do foco essencial, que é combater o governo interino e derrotar o impeachment.

As esquerdas optaram pelo pelo estado de direito democrático e devem seguir nele, evitando a atração por desvios, alternativas que lembram casuísmos, gambiarras, improvisos de consequências imprevisíveis.

Por tudo isso e pelo mais que não precisa ser posto em evidência a esta altura de nossa história, o que incumbe às esquerdas e às forças democráticas, hoje, como prioridade, é a defesa da ordem constitucional. E o ponto de partida é a defesa do mandato constitucional, legítimo e legal da presidente Dilma Rousseff.

Serra agride o Mercosul em favor do EUA


Por Helder Lima, na Rede Brasil Atual:

O ministro interino das Relações Exteriores, José Serra, ataca veladamente o Mercosul. Serra alega que o país deve poder celebrar acordos comerciais com os mais diferentes países. O que está em jogo é uma resolução do Mercosul, a Decisão 32, de 2000, que define que os acordos comerciais não podem ser feitos sem aprovação do bloco. Ontem (24) o próprio presidente interino Michel Temer saiu em defesa da ideia, em entrevista à rádio Estadão, pregando a necessidade de flexibilizar a decisão para que o país faça acordos tarifários livres com os parceiros que quiser.

O argumento não convence os críticos do governo provisório. Não convence nem mesmo a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), uma das madrinhas do afastamento de Dilma Rousseff. Na prática, se negociar tarifas a seu bel-prazer o governo interino vai jogar contra a indústria, contra os empregos e agravar a recessão, segundo afirmam fontes ouvidas pela RBA.

Um deles é o economista Kjeld Jakobsen, que foi secretário de Relações Internacionais da CUT, da prefeitura de São Paulo e integra a diretoria da Fundação Perseu Abramo. Para ele, o "governo golpista" demonstra não entender nada de economia, de políticas sociais, de direitos humanos e tampouco de comércio. "Isso por várias razões. Primeiro porque o Mercosul não impede que você negocie com outros países. O que ele pode impedir é que você faça acordos de livre comércio com taxas inferiores à Tarifa Externa Comum (TEC) que existe no Mercosul", afirma Kjeld Jakobsen. “Se fizer isso, você traz para dentro do bloco o que a gente chama de desvio de comércio, porque os outros vão exportar para o Brasil, com tarifa menor do que a TEC, e o Brasil vai com tarifa zero para os outros quatro países do Mercosul”, explica.

Nas notícias que circularam ontem (25) sobre a questão despontam a possibilidade de o país fazer acordos com Canadá, Japão, Coreia e o bloco formado por pequenos países europeus, como Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein. Mas isso não diz tudo, na opinião do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães. “Quando você faz um acordo de livre comércio com um país, e você leva a zero a tarifa, os outros países também perdem. O que ele (Serra) está pretendendo fazer é começar com esse tipo de país para depois fazer com os grandes, porque com esses (os pequenos) não tem nenhum impacto. Vai ver o tamanho do comércio do Brasil com esses países. É absolutamente insignificante. Ele quer abrir um precedente para fazer com outros países”, alerta Guimarães.

“Essas pessoas são antipátria, são antinacionais, contra o trabalho, contra o povo, contra os trabalhadores. Certamente é uma medida que agravaria a recessão. É tudo o que os outros países querem, que é exportar para cá”, diz o embaixador. “A falta de conhecimento, a falta de sentimento de nação é muito grande e a ignorância também. Você acha que ele quer ter livre comércio com a Suíça? O que eles querem é um esquema de livre comércio com os Estados Unidos. E com a Europa. É uma questão ideológica – eles querem a Alca (Área de Livre Comércio das Américas, proposta pelos Estados Unidos em 1994, mas que não prosperou) e claro que os Estados Unidos também querem isso, porque vão exportar muito para o Brasil. Os Estados Unidos hoje em dia já têm um superávit com o Brasil muito grande”, afirma Pinheiro Guimarães.

“Se revogar isso (a decisão 32/00) significa o fim do Mercosul, o que seria um prejuízo muito grande porque um dos destinos mais importantes das exportações brasileiras é exatamente o Mercosul, principalmente no que diz respeito a bens industrializados, que é um setor em que o Brasil vem perdendo competitividade, por várias razões”, diz o diretor Jacobsen. “A existência do Mercosul não impediu que a China se tornasse o principal parceiro comercial do Brasil, que está em primeiro lugar nas nossas relações comerciais. Essa relação cresceu mais de 1.000% de 2002 para os dias atuais. E mesmo aqui na América do Sul, o segundo maior crescimento de comércio do Brasil foi com a Argentina por causa do Mercosul. Esse crescimento é superior a 800%, de 2002 para os dias atuais”, afirma o economista.

"Os caras não estão nem aí, porque eles vão fazer negócios. Eles fazem negócios. Você pode buscar no WikiLeaks as declarações do Serra no passado sobre a Chevron – ele garantiu que ia mudar a legislação. E ninguém disse nada, coisa documentada. Para eles não tem negócio de pátria. São contra a nossa soberania, contra o nosso desenvolvimento e a favor de seu enriquecimento pessoal", sustenta o embaixador. E lembra: "Basta ver as pessoas que participaram do governo Fernando Henrique como elas estão 'pobres'. Veja a fortuna dos economistas que participaram do governo Fernando Henrique. Estão todos milionários", afirma Guimarães.

Abatidos 1300 terroristas durante la operación de Mosul


El ministro de Defensa de Irak, Jaled al-Obeidi, ofrece una conferencia de prensa.

Al menos 1300 terroristas fueron abatidos durante las operaciones para liberar la parte sureña de Mosul (norte de Irak), según un alto funcionario iraquí.

Además de revelar la cifra, el ministro iraquí de Defensa, Jaled al-Obeidi, aseguró el sábado que Mosul y otras regiones controladas por el grupo terrorista EIIL (Daesh, en árabe) serán liberadas “dentro de un año”.

En una conferencia de prensa realizada tras su reunión con los dirigentes militares en Nínive (provincia en la que se encuentra Mosul), el titular de Defensa indicó que la primera etapa de la operación de liberación de Mosul todavía continúa.

Dio a conocer también que se registraron progresos importantes en la parte occidental de Mosul, para después prometer que la victoria es inminente y que la banda terrorista takfirí pronto será destruida.


Mosul, situado a 400 kilómetros de la ciudad capitalina de Bagdad, cayó en junio de 2014 bajo el control de Daesh —que se infiltró desde la vecina Siria— y más tarde esta ciudad se convirtió en el principal bastión del EIIL en el país árabe.

El primer ministro de Irak, Haidar al-Abadi, señaló asimismo que la liberación de Mosul está muy cerca, ya que esta ciudad es el “próximo destino” de las fuerzas iraquíes tras la liberación de la estratégica ciudad de Faluya (centro).


En cuanto a Faluya, el ministro de Defensa de Irak afirmó que el 90 por ciento de la ciudad es “segura y habitable”, desactivando a Daesh, de hecho, manifestó que las tropas iraquíes impidieron a los terroristas destruir Faluya tal como lo hicieron con Ramadi (centro) y Sinyar (norte).

Igualmente, Hadi al-Ameri, comandante de las fuerzas populares iraquíes, conocidas también como Al-Hashad al-Shabi, anunció el sábado que se inició la última fase de la ofensiva contra los terroristas del EIIL en Faluya y que en los próximos días habrá un anuncio sobre su liberación total.

Por otra parte, un portavoz no identificado de las Operaciones del Comando Conjunto de Irak informó en la jornada del sábado que un total de 2185 sospechosos de Daesh fueron detenidos cuando intentaban huir de Faluya entre los civiles que están abandonando la ciudad.

La gran ofensiva para recuperar Faluya comenzó a finales de mayo y las defensas del EIIL en buena parte de la ciudad se derrumbaron de forma repentina. Durante estas operaciones, las fuerzas iraquíes han matado a más de 2500 extremistas de Daesh.

zss/ctl/msf/HispanTv

Cazas rusos matan a dos ‘emires’ de Ahrar al-Sham cerca de Damasco


Los aviones rusos de combate mataron el sábado a dos emires del grupo terrorista Ahrar al-Sham, en las periferias de Damasco, la capital de Siria.

Los cazas rusos bombardearon las posiciones de Ahrar al-Sham cerca de la ciudad de Jan Al-Sheih, en la región de Quta al este de Damasco. Los ataques aéreos rusos resultaron en la muerte de "Abu Ibrahim Al-Shabaj y Abu Al-Jair, ha informado este domingo la agencia siria de noticias Almasdar News.

En los últimos meses, Ahrar al-Sham recibió duros golpes infligidos tanto por el Ejército sirio como por la Fuerza Área de Rusia. El pasado diciembre, el cabecilla de esta banda extremista takfirí Zahran Aloush fue alcanzado en un ataque aéreo de la aviación siria en Quta.


Abu Badr al-Najdi, un líder saudí del grupo terrorista Ahrar al-Sham.

mkh/ktg/rba/;HispanTv

sexta-feira, 24 de junho de 2016

PÓS-BREXIT, TEMER CRITICA MERCOSUL E ROSSETTO REAGE


Em entrevista nesta sexta-feira, o presidente interino defendeu "universalizar as relações do Brasil", criticou "ligações exteriores pautadas por critérios ideológicos", o que, segundo ele, vinha sendo praticado, e afirmou ser preciso "repensar" o Mercosul; declarações foram feitas pouco depois do resultado do plebiscito que decidiu pela saída do Reino Unido da União Europeia; pouco antes das declarações de Temer, ao comentar o Brexit, o ex-ministro Miguel Rossetto havia criticado a possibilidade de o Brasil se afastar do Mercosul: "Antes que algum estúpido se empolgue com a decisão lamentável do Reino Unido, é fundamental fortalecer a integração entre os países do Mercosul e da Unasul, rejeitar uma ideia reacionária e egoísta que aprofunda a separação entre os povos e a xenofobia, estimula a segregação social e a violência"

247 – Pouco depois do resultado do plebiscito que decidiu pela saída do Reino Unido da União Europeia, nesta sexta-feira 24, o presidente interino, Michel Temer, dava declarações no sentido de "universalizar as relações do Brasil" e "repensar" o Mercosul.

Em entrevista à Rádio Estadão, pela manhã, ele também criticou o que chamou de "ligações exteriores pautadas por critérios ideológicos", que vinham se sendo praticadas até então, segundo ele, o que é "impensável", em sua opinião.

"Desde que o Serra assumiu, a nossa ideia é universalizar as relações do nosso País. Porque, em um dado momento, você sabe disso, muitas vezes a ligação, digamos assim, do nosso País, pautava-se mais por critérios ideológicos e isto, a meu modo de ver, é impensável", declarou Michel Temer.

Ele também defendeu "rediscutir um pouco a questão do Mercosul, não para eliminá-lo, mas para, quem sabe, dar-lhe uma diretriz mais segura nessa tese da universalização das relações com os outros países". De acordo com Temer, "muitas vezes o Brasil tem dificuldades de fazer um acordo tarifário, qualquer coisa dessa natureza, porque está preso aos compromissos do Mercosul".

Antes das declarações de Temer, o ex-ministro do Trabalho no governo Dilma Rousseff, Miguel Rossetto, havia criticado duramente a decisão do Reino Unido, classificada por ele como "lamentável", além de "reacionária e egoísta".

Rossetto também criticou, em sua fala, a possibilidade de o Brasil se afastar do Mercosul, em uma espécie de inspiração no Brexit.

"Antes que algum estúpido se empolgue com a decisão lamentável do Reino Unido, é fundamental fortalecer a integração entre os países do Mercosul e da Unasul, rejeitar uma ideia reacionária e egoísta que aprofunda a separação entre os povos e a xenofobia, estimula a segregação social e a violência", disse.

Brasil 247

Carta aberta a Sérgio Moro


Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Caro Moro:

Me desculpe a franqueza, mas o senhor é uma desgraça nacional. Simboliza a justiça partidária que tanto mal faz ao país.


O senhor é um antiexemplo. No futuro, quando formos uma sociedade mais avançada, ficará a pergunta: como pudemos tolerar um juiz tão parcial?

Sequer as aparências o senhor respeitou. São abjetas as imagens em que o senhor aparece ao lado de barões da mídia como João Roberto Marinho e de políticos da direita como João Dória.

O senhor tem ideia do que aconteceria na Inglaterra se um juiz com tanto poder como o senhor confraternizasse com caciques da política e da mídia?

Mas o pior não foram as aparências: foram e são os atos práticos.

Como o senhor não se envergonhou de participar dos espetáculos circenses em que o objetivo era criminalizar um e apenas um partido, o PT?

Como o senhor não se envergonhou em passar para a Globo conversas criminosamente gravadas entre Lula e Dilma?

Caro Moro: como o senhor consegue dormir?

Vejamos os fatos destes últimos dias. O senhor e sua Lava Jato foram fulminantes em prender um ex-ministro de Lula e embaraçar o editor de um site que representa um tipo de visão completamente ignorado pelas grandes empresas jornalísticas.

Funcionários da PF, em extravagantes uniformes de camuflagem e fortemente armados, se deixaram também fotografar em frente à sede do PT em São Paulo.

O senhor tem noção do ridículo, do patético disso? Parecia que os policiais estavam indo desbaratar uma célula dos Estados Islâmicos.

Mas, ao mesmo tempo, ficamos todos sabendo que vocês fracassaram miseravelmente não uma, mas duas vezes em intimar a mulher de Eduardo Cunha, Claudia Cruz.

Vocês não sabem sequer onde ela fica para entregar a intimação? Ou o empenho frenético em investigar e atacar um lado é contrabalançado pela negligência obscena em tratar casos ligados ao outro lado?

O senhor tem ideia do desgaste que este tipo de coisa provoca em sua imagem em milhões de brasileiros?

Um homem pode ser medido pelos admiradores que semeia. O senhor é hoje venerado pelo mesmo público que idolatra Bolsonaro: são pessoas essencialmente racistas, homofóbicas, raivosas, altamente conservadoras e brutalmente desinformadas.

O senhor não combateu, verdadeiramente, a corrupção. O senhor combateu e combate o PT. São duas coisas distintas. Falo isso com a tranquilidade de quem jamais pertenceu ao PT ou teve qualquer vínculo com o partido. Meu pai se elegeu presidente do sindicato dos jornalistas de SP, no começo dos anos 1980, numa disputa épica contra o representante do PT, Rui Falcão. Jamais superei certas mágoas do PT até porque meu pai era meu norte e meu sul, meu leste e meu oeste.

Não fossem os delatores, as roubalheiras de gente como Aécio, Temer e Jucá permaneceriam desconhecidas e intocadas.

Não fossem as autoridades suíças, as contas secretas que finalmente liquidaram a maior vocação corrupta das últimas décadas no Brasil não seriam conhecidas, e Eduardo Cunha continuaria a cometer seus crimes.

Caro Moro: o senhor há de ter o mesmo destino de um homem que teve um papel igual ao seu na política brasileira, Joaquim Barbosa.

A mídia o usou e espremeu ao máximo, e depois o descartou. JB não é nota sequer de rodapé dos jornais e revistas. Não é ouvido para nada.

O senhor, como JB no Mensalão, está tendo seus dias de Cinderela, porque é útil à plutocracia. Mas Gata Borralheira sempre ronda a Cinderela, como o senhor sabe.

Sinceramente.

Paulo

Poroshenko visita Donbass e prevê 'escalada das hostilidades'


O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, fez uma visita não planejada à região de Donbass, conforme relatou o seu porta-voz, Svyatoslav Tsegolko, em sua página no Facebook.

"O presidente assinou um decreto sobre a desmobilização da quinta leva da linha de frente, dois quilômetros do novo terminal do aeroporto de Donetsk. A viagem não foi planejada, de modo que os soldados ficaram realmente chocado. Alguns deles disseram que estavam prontos para servir de forma cotnratual", escreveu Tsegolko.

Em março, Poroshenko havia afirmado que tinha assinado um decreto sobre a desmobilização das tropas da reserva, convocadas durante a quarta leva de mobilização parcial, que durou de 21 de julho de 2014 até 14 de Janeiro de 2015.

O presidente ucraniano disse que não tem a intenção de declarar uma nova onda de mobilização. Mais cedo, durante um discurso na frente dos militares na região de Kharkiv, Pyotr Poroshenko disse que a convocação por contrato do exército será aumentado, mas no momento não é possível abandonar o recrutamento e a mobilização.

Segundo Poroshenko, a Ucrânia vai continuar a fortalecer as forças armadas, visto que os dias de "pacifismo frívolo" passaram e aumenta a probabilidade de "escalada em larga escala das hostilidades" no leste do país.

Sputniknews

Presidente Maduro: la Fanb garantiza como columna vertebral la paz y soberanía de Venezuela


El presidente de la República, Nicolás Maduro, quien participa esta tarde a Fuerte Tiuna en los actos conmemorativos de la Batalla de Carabobo que hoy cumple 195 años de haberse librado, felicitó al Ejército bolivariano y destacó que son la columna vertebral de la paz y soberanía de la nación.

Indicó además que “hoy la consciencia y el más grande valor se ha cultivado en el liderazgo militar que lleva adelante esta profunda Revolución Militar en medio de esta huracanada Revolución Bolivariana del siglo XXI”.

Destacó “la consciencia y compromiso con la más grande función que cumple nuestra fuerza armada que es garantizar como columna vertebral, la paz, democracia, soberanía e independencia venezolana”.

El mandatario también manifestó que “la democracia está como concepto revolucionario de participación y protagonismo de un pueblo, contemplado en la Constitución de 1999″.


“195 años han pasado de la batalla que quebró la dominación imperial y que fundó la República. Fundó Colombia, la grande y bolivariana, un proceso inédito. El pueblo unido convertido en Ejército, la propia existencia de la República necesita un ejército como pueblo y un pueblo armado como Ejército”, dijo el dignatario.

Expresó sus felicitaciones al Ejército de la patria. “Ha vuelto a ser el ejército de los libertadores. Hoy es un día muy especial porque es un día para reflexionar en medio del fraguar de la batalla de este siglo XXI, la gloria de esta patria fue fundada por un pueblo que decidió ser libre”, agregó.

En este sentido, señaló que “tenemos que agradecer al Comandante Hugo Chávez y supo tomar la bandera, moral y espíritu original, una fuerza armada nacional con pensamiento propio y moral propia”. “Estamos viviendo en Carabobo, ya no hay que volver a Carabobo y debemos continuar con el Ejercito al frente defendiendo al pueblo”.

Más temprano, en la red social Twitter, el mandatario señaló que hoy se cumplen “195 años de la gran victoria de Carabobo, el Pueblo hecho Ejército fundó la patria ¡Vamos por el camino de Bolívar y Chávez!”.

Aporrea

‘La salida del Reino Unido de la UE constituye una victoria para Putin’


El presidente de Rusia, Vladimir Putin.

La decisión del Reino Unido de salir de la UE es una gran victoria para el presidente ruso, Vladimir Putin, asegura un diplomático estadounidense.

“Felicito a Putin por su victoria esta noche con el brexit. La de esta noche es una gran victoria para los objetivos de la política exterior de Putin”, tuiteó el jueves Michael McFaul, antiguo embajador de Estados Unidos a Rusia.

El diplomático añadió que la Unión Europea (UE), Estados Unidos y el Reino Unido salen perdiendo con el abandono de la UE por este ultimo, mientras que aquellos a los que no interesan la unión de Europa y la cercanía entre EE.UU. y los países europeos se han beneficiado de este suceso.

McFaul también observó que el brexit debilita a Europa, algo que, sostiene, Putin prefiere, y que abre la vía para que Rusia propague su visión de una unión Eurasiática alternativa a la Unión Europa que incluya a Asia y a Europa.

Además, McFaul calificó la salida británica de la UE como una posible muestra de la disolución de la UE, algo que podría dar aun más ventaja a Rusia para negociar los términos con los que se levantarían las sanciones adoptadas en su contra, dado que uno de los oponentes más importantes de Rusia, el Reino Unido, ya no forma parte de la UE.

Un total de 52 % votó a favor de la salida frente al 48 % que dijeron no a la separación, según los recuentos de votos, con una participación del 72 %.

Se espera que las negociaciones para la salida del Reino Unido tomen unos dos años.

hgn/mla/rba/HispanTv

Hezbolá despliega más combatientes en la provincia siria de Alepo


Combatientes de Hezbolá durante una operación antiterrorista en el territorio sirio.

Más combatientes del movimiento libanés (Hezbolá) llegan a la provincia siria de Alepo (norte) para intensificar la lucha contra los grupos terroristas.

El portal sirio Almasdarnews, citando a fuentes del Ejército de Siria, anunció que el nuevo contingente del Movimiento de la Resistencia Islámica de El Líbano (Hezbolá) llegó la mañana del viernes a la estratégica aldea de Al-Hadher.

La fuente añade que el nuevo convoy militar de Hezoblá está compuesto por veteranos de guerra que habían participado, junto a las tropas leales al presidente sirio, Bashar al-Asad, en varios enfrentamientos en diferente partes del país árabe, incluido en la primera operación lanzada contra los terroristas en el sur de Alepo.

El despliegue de las fuerzas de Hezbolá se produjo horas antes de que el secretario general del movimiento libanés, Seyed Hasan Nasrolá, anunciara en un discurso televisado en vivo que la Resistencia desplegará su mayor contingente militar en esa zona.

Durante esta aparición televisiva realizada con la ocasión de los cuarenta días transcurridos desde la muerte del comandante de Hezbolá Mostafa Badr al-Din a manos de grupos takfiríes en Siria, Nasrolá hizo hincapié en la situación delicada en Alepo.

Adujo que los enemigos de Siria han enviado a miles de terroristas de diferentes nacionalidades a Alepo, mientras que las fronteras turcas estaban abiertas a ellos. Su plan, adelantó Nasrolá, era invadir esta localidad estratégica.

Al respecto, el líder de Hezbolá resaltó que dejar sola esta localidad siria, otorgaría nueva oportunidad al complot saudí-estadounidense-takfirí para marcar una “gran victoria” en Siria y neutralizaría los logros que consiguió la Resistencia en el pasado ante los grupos terroristas.

Tras advertir que los enemigos han lanzado nueva fase de guerra contra el Gobierno de Damasco, Nasrolá dejó claro que defender a Alepo es defender al resto de Siria, al Gobierno de Damasco, a El Líbano, a Irak y a Jordania.

“Fuimos a Alepo cuando era necesario y nos quedaremos ahí. Eso era la estrategia de Badr al-Din”, señaló el secretario general de Hezbolá.

Siria entró en el mes de marzo en el sexto año de un cruento conflicto que, según estima el enviado especial de Naciones Unidas para Siria, Staffan de Mistura, ha dejado más de 400.000 muertos.

ask/ctl/HispanTv