sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Coreia do Norte diz que usará 4 mísseis para atacar Guam, ilha dos EUA no oceano Pacífico


Plano 'será finalizado em meados de agosto e será reportado ao comandante-em-chefe', Kim Jong-un; Donald Trump é 'desprovido de razão, e apenas a força bruta pode funcionar com ele', diz Pyongyang

A Coreia do Norte reiterou nesta quinta-feira (10/08) sua ameaça de atacar a ilha de Guam e disse ter quatro mísseis de alcance médio preparados e apontados na direção do território no oceano Pacífico para serem lançados após a ordem do líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Pyongyang manteve assim sua queda de braço dialética com Washington, depois que na véspera a tensão entre os dois países aumentou com a ameaça por parte da Coreia do Norte de atacar Guam após a advertência lançada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, na terça-feira (08/08).

Trump disse que o país asiático "vai se deparar com um fogo e uma fúria nunca vistos" se continuar ameaçando os EUA.

“É melhor que a Coreia do Norte não faça mais ameaças aos EUA. Eles vão se deparar com um fogo e uma fúria nunca vistos no mundo”, disse Trump em declarações a jornalistas feitas depois de a imprensa dos EUA ter afirmado que a Coreia do Norte teria conseguido miniaturizar uma ogiva nuclear, que poderia ser colocada em um dos seus mísseis balísticos intercontinentais.

“Ele está fazendo muitas ameaças, mais do que o normal”, disse Trump, em uma aparente referência ao líder norte-coreano, Kim Jong-un. “E, como eu disse, eles vão se deparar com fogo e fúria e, francamente, com um poder que este mundo nunca viu antes”, completou o presidente norte-americano.

Após a resposta norte-coreana, o Pentágono decidiu enviar dois bombardeiros estratégicos B-1B (estacionados em Guam) para as proximidades da península coreana.

Opera Mundi